Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Receita de Ano Novo Carlos Drumond de Andrade

Receita de Ano Novo Carlos Drumond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo


cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,


Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido


(mal vivido talvez ou sem sentido)


para você ganhar um ano


não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,

mas novo nas sementinhas do vir-a-ver,


novo até no coração das coisas menos percebidas


(a começar pelo seu interior)


novo, espontâneo, que de tão perfeito se nota,


mas com ele se come, se passeia,


se ama, se compreende, se trabalha,


você não precisa beber champanhe ou qualquer outra birita,


não precisa expedir nem receber mensagens


(planta ou recebe mensagens? passa telegramas?).


Não precisa fazer lista de boas intenções


para arquivá-las na gaveta.


Não precisa chorar de arrependido


pelas besteiras consumadas


nem parvamente acreditar


que por decreto da esperança


a partir de Janeiro as coisas mudem


e seja tudo claridade, recompensa,


justiça entre os homens e as nações,


liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,


direitos respeitados, começando


pelo direito augusto de viver.


Para ganhar um Ano-Novo que mereça este nome,


você, meu caro, tem de merecê-lo,


tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,


mas tente, experimente, consciente.


É dentro de você que o Ano Novo


cochila e espera desde sempre.

Carlos Drumond de Andrade

Achei por bem acompanhar esta receita de Ano Novo com uma doce "sobremesa": o Hino da Alegria, pela Orquestra Sinfónica e Coro de S. Diego, acompanhado, por sua vez, de algumas notas interessantes

O hino da Alegria, do 4º andamentoe da 9º Sinfonia de Beethoven, inpira-se num texto de  de Friedrich von Schiller , Ode à Alegria. Aquifica a  tradução do original, tal como se canta na nona sinfonia de Ludwig van Beethoven.


(Barítono)


Oh amigos, mudemos de tom!


Entoemos algo mais agradável


E cheio de alegria!


(Barítonos, quarteto e coro)


Alegria, mais belo fulgor divino,


Filha de Elíseo,


Ébrios de fogo entramos


Em teu santuário celeste!


Teus encantos unem novamente


O que o rigor da moda separou.


Todos os homens se irmanam


Onde pairar teu vôo suave.


A quem a boa sorte tenha favorecido


De ser amigo de um amigo,


Quem já conquistou uma doce companheira


Rejubile-se connosco!


Sim, também aquele que apenas uma alma,


possa chamar de sua sobre a Terra.


Mas quem nunca o tenha podido


Livre de seu pranto esta Aliança!


Alegria bebem todos os seres


No seio da Natureza:


Todos os bons, todos os maus,


Seguem seu rastro de rosas.


Ela nos dá beijos e as vinhas


Um amigo provado até a morte;


A volúpia foi concedida ao verme


E o Querubim está diante de Deus!


(Tenor solo e coro)


Alegres, como voam seus sóis


Através da esplêndida abóboda celeste


Sigam irmãos sua rota


Gozosos como o herói para a vitória.


(Coro)


Abracem-se milhões de seres!


Enviem este beijo para todo o mundo!


Irmãos! Sobre a abóboda estrelada


Deve morar o Pai Amado.


Vos prosternais, Multidões?


Mundo, pressentes ao Criador?


Buscais além da abóboda estrelada!


Sobre as estrelas Ele deve morar.

E porque de Ano Novo se fala, achei interessante algumas referências que encontrei em realção ao Ano Novo Chinês.

Ano-novo chinês é uma referência à data de comemoração do ano novo adoptada por diversas nações do Oriente que seguem um calendário tradicional distinto do Ocidental, o Calendário chinês.

Cada ano-novo chinês tem início, em cada ano,   em uma data diferente do calendário ocidental.
Os chineses relacionam cada novo ano a um dos doze animais que teriam atendido ao chamado de Buda para uma reunião. Apenas doze se apresentaram, Buda em agradecimento os transformou nos signos da Astrologia chinesa.
Os doze animais do Horóscopo chinês a que correspondem os anos chineses são, de acordo com a ordem com que se teriam  apresentado a Buda na lenda acima citada: rato, búfalo, tigre, coelho, dragão, cobra, cavalo, cabra, macaco, galo, cão e o javali. Desta forma, se 2008 foi o ano do rato, 2009 o do Boi (búfalo), 2010 o do Tigre, e 2011 será o do coelho
Associada às comemorações de Ano Novo, existe na cidade de Gaomi, na província de Shangdong, no leste da China,uma arte com cinco séculos de história. Chama-se pintura do Ano Novo Puhui



1 comentário:

  1. Olá Regina
    Mais um "post" cheio de Cultura e Beleza que abre com o maravilhoso poema de Carlos Drumond de Andrade. De facto está nas nossas mãos a tentativa de construir um ANO NOVO.
    "Se os homens quisessem! E os homens vão querer!" Isto dizia Álvaro Feijó num poema a respeito da guerra, mas eu acho que também se aplica muito bem à construção do Futuro.

    Toda a felicidade possível para si e sua família neste novo ano de 2011 e em todos os que se seguirem.

    Um beijo.

    ResponderEliminar