Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Excelíocres e Mediocrelentes- Parte II

Em mensagem  anterior  atribuí alguma da responsabilidade da situação a que se chegou, a numa nova classe de funcionários, sejam eles de que departamento forem. Designei-os por  Excelíocres ou Mediocrelentes.

Esta espécie, protegida por uma avaliação secreta, muito transparente, nasceu do cruzamento da mediocridade real com a excelência virtual.


Como é espécie protegida, há lobbies que defendem "com unhas e dentes" a sua protecção, lutando por um, cada vez maior, secretismo na avaliação.

Na educação e provavelmente em outras situações, há casos de tal modo caricatos que tentei descrevê-los em versos satíricos.

Aqui deixo o que consegui escrever, na esperança de que, por mera casualidade, o Sr. Ministro Nuno Crato os leia

A estória que aqui se narra tem “muita uva e pouca parra”.


Eventuais semelhanças com qualquer realidade,


não passam de coincidências, na verdade.


Trata-se de um diálogo sobre avaliação


numa suposta escola de qualquer região.

P1-


Nesta escola não vai haver qualquer excelente.
Assim decidimos democraticamente.


P2-


Quem decidiu?


P1-


Eu, (o) a presidente mais a equipa por mim escolhida, obviamente,


equipa muito subserviente (perdão, queria dizer competente).


P2-


Mas não há cotas?


P1-


Há cotas obviamente mas decidi, quero dizer decidimos


(eu e a equipa subserviente, enganei-me novamente,


a equipa competente) que não vai haver nenhum excelente.


P2-


E pode ?


P1-


Claro que posso, basta um critério definido de forma inteligente.


Quem teve aula assistida( quem não teve é diferente)


não poderá ultrapassar os oito ponto nove.


P2-


Mas se por acaso um relator, ao avaliar um professor


atribuir em cada domínio uma pontuação


que leve no final a uma classificação, no mínimo igual a nove?


P1-


Obviamente não pode. Baixa aqui, reduz além,
não importa porquê nem se convém
Muito bom chega-lhe bem


“Isto é de mais” Pensou um relator degenerado,


Lembrou-se de Vinicius de Moraes
e tal como o operário em construção,
o relator degenerado disse não.


Gerou-se uma tremenda discussão.


Disse o relator degenerado, de cabeça erguida e em voz bem alta.


R-


Eu não altero um só ponto da minha proposta.


Alterem o que quiserem, com responsabilidade vossa


e com a devida justificação em acta.


P1-


Que justificação? Não temos uma razoável para dar.






Então o (a) presidente e a equipa competente ( leia-se subserviente)


tiveram que aceitar o excelente.


Saíram comentando entre dentes.


P1,E-
Ora esta…


Para que queremos nós os excelentes?


Com eles quando há sucesso é bem real.


O que importa é o sucesso virtual


que a parafernália de papéis  atesta.


Parece surrealista mas não é tanto como parece. Fazendo uma inspecção minuciosa e séria  pelas escolas, encontrar-se-iam algumas (eventualmente muitas) situações em que as coisas se passam de forma muito semelhante à relatada.

Se têm que existir cotas, não seria muito mais honesto que os professores tivessem a classificação adequada, independentemente ou não de haver cota? Eram excelentes mas não podiam constar do respectivo quadro  por estar preenchido Falsear resultados, colocando no mesmo saco o trigo e o joio, em nada dignifica qualquer classe profissional.

Uma das razões que pretensamente justificaria estes modelos de avaliação aberrantes era evitar as subidas automáticas na carreira com as injustiças daí decorrentes. O sistema vigente permite injustiças muito mais flagrentes.
Numa outra mensagem anterior referi:

Sempre fui defensora da avaliação dos professores; sempre dei o meu melhor, muitas vezes sacrificando a família, e custava-me ver que outros, para quem a escola era apenas um meio de ganhar um dinheirito, a acumular por vezes com o que auferiam em profissões liberais, em explicações, etc, ascendiam na carreira tal como eu. Não se interprete das minhas palavras que tenho algo a ver contra as acumulações, que em alguns casos, em nada interferem com a qualidade do serviço prestado nas escolas. Eu própria, de 1999 a 2006, acumulei o ensino Secundário com umas aulas no Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Porto


Mas dizia eu que me custava ver aquela forma injusta de se ascender na carreira.


Só que, o que se tem passado ultimamente em muitas escolas, é muito mais injusto.


Já tive oportunidade de referir aqui que há escolas onde excelentes muitas vezes não ultrapassam o Bom e medíocres e maus são classificados com Excelente (os tais excelíocres ou mediocrecelentes).

É tudo uma questão de subserviência…

Só há uma forma de evitar estas aberrações: a transparência. Porque não são tornados públicos os resultados? (aliás a pergunta poderá ser feita para todas as avaliações e não só para a dos professores).


Experimentem tornar secreta a avaliação dos alunos. O sistema educativo cairia, por certo…


Ainda na mesma mensagem refiro um documento (que provavelmente o Sr. Ministro Nuno Crato conhece bem),  produzido pela Associação de Professores de Matemática e que se debruça sobre avaliação onde pode  ler-se :
A avaliação deve ser transparente.
(…)Tanto quanto possível as escolas e os professores envolvidos no processo de avaliação deverão intervir activamente no sentido de garantir a sua transparência.

Claro que não basta a transparência na avaliação, para a tornar credível.
É preciso que o que se avalia tenha realmente a ver com a qualidade de ensino e aprendizagem, não virtuais como as que nos tentam impingir, mas reais.
E a real qualidade de ensino- aprendizagem será tanto melhor quanto menor o tempo que os professores tiverem que dedicar a preencher papéis e a assistir a reuniões, ambos obsoletos na maior parte dos casos.

1 comentário:

  1. Olá Regina
    Só posso dar-lhe os parabéns por este excelente documento de crítica à avaliação dos professores.

    Um beijo.

    ResponderEliminar