Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

"Isto não é socialmente aceitável, pois não?"

O texto que aqui coloco é da autoria da professora  Helena Damião e foi publicado em De Rerum Natura

Não sei se percebi bem o que li numa pequena notícia do Expresso desta semana.

O jornalista (Micael Pereira) explicou-se bem (na verdade, explicou-se muito bem) ao relatar um pesadelo colectivo dos tempos que correm, mas quem sabe que esse pesadelo não é inventado, que decorre da realidade, para defesa da sua racionalidade e da matriz de valores em que ela assenta, põe-se a duvidar da sua própria capacidade de compreensão. É o meu caso.


A notícia, intitulada
Os impostos não são para todos, situa o pesadelo: num luxuosíssimo hotel construído num luxuosíssimo espaço algarvio. Ali, umas centenas de ricos, muito ricos, de vários países do mundo assistem a uma palestra proferida por um consultor estrangeiro sobre "como Portugal é a melhor escolha fiscal em 2012", pois "às vezes as medidas de austeridade em Portugal para os mais ricos são mais aparência do que realidade"... Isto é dito e está escrito num slide da sua apresentação. E o tom não é crítico (obviamente que naquela circunstância não o podia ser!), é afirmativo, para convencer os clientes a investirem (talvez investirem devesse ter aspas) em terras lusas...

Um milionário do Reino Unido presente, aparentemente desconcertado com o discurso, disse ao jornalista:


"(...) quem tem dinheiro, tem sempre forma de gerir a carga fiscal. Eu, no lugar do Governo. em vez de ter impostos baixos para gente como nós, baixava os impostos a todos os portugueses. Só assim é que há actividade económica (...) Além de mais, isto não é socialmente aceitável, pois não?"
Um milionário (sublinho, um milionário), a quem são oferecidas benesses fiscais, tem o discernimento social que falta a quem permite que se ofereçam benesses fiscais a "gente como ele".

Enquanto isto acontecia, nota o jornalista, o nosso Ministro das Finanças, em directo pela televisão, explicava ao país o mais recente aumento de impostos (destinado a "outra gente").


Tudo isto bate certo. Lamentavelmente.


 

1 comentário:

  1. A Regina conhece bem a frase de Almeida Garrett "quantos pobres são precisos para fazer um rico?"
    No nosso país os muito ricos são cada vez mais ricos e todos os outros são cada vez mais pobres. Por isso eu "entendo" a política deles mas condeno-a. Precisamos urgentemente de outra política.~

    Um beijo.

    ResponderEliminar