Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sexta-feira, 20 de março de 2015

O eclipse


Platero e Eu é um magnífico livro de prosa poética, escrito por Juan Ramón Jiménez (Prémio Nobel de Literatura, em 1956). É um livro de afetos, nomeadamente o que une o autor  ao seu burrinho Platero. Recebi-o quando tinha 12 anos e já o reli não sei quantas vezes.

                                                           

Um dos textos relata  consequências de um eclipse total do sol a que o autor, quando jovem, assistiu na sua aldeia andaluza

METEMOS as mãos nos bolsos, sem querer, e sentimos na fronte o fino palpitar da sombra fresca, como quando se entra num espesso pinhal. As galinhas recolheram ao poleiro, uma a uma. Em redor, o campo enlutou o seu verde, como se o véu roxo do altar-mor o cobiçasse. Viu-se, branco, o mar longínquo; e algumas estrelas brilharam, pálidas. Como iam trocando brancura por brancura, os terraços! Nós, que lá estávamos, gritávamos, uns para os outros, ditos mais ou menos engraçados, pequenos e escuros naquele silêncio reduzido do eclipse.
Olhávamos o sol com tudo: com os binóculos de teatro, com o óculo de grande alcance, com uma garrafa, com um vidro fumado. E de toda a parte: da varanda, da escada da cerca, da janela do celeiro, da porta do pátio, pelos seus vidros escarlates e azuis...
Ao ocultar-se o sol (que, um momento antes, tornava tudo duas, três, cem vezes maior e melhor com as suas complicações de luz e ouro), tudo, sem a longa transição do crepúsculo, ficava só e pobre, como se se tivesse trocado ouro primeiro, e depois prata, por cobre. A aldeia parecia uma pequena moeda ferrugenta e sem valor. Que tristes e pequenas as ruas, as praças, a torre, os caminhos dos montes!
Platero além, na cerca, parecia um burro menos verdadeiro, diferente e recortado; outro burro...

 Hoje, em Portugal também ocorreu um eclipse do Sol, mas parcial. Muni-me dos óculos adequados e às 8,30 h fui para o quintal observá-lo. Às nove vieram buscar-me para umas sessões que fui fazer na Escola da Estação em Valongo (referir-me-ei brevemente a visitas que tenho feito a escolas). Quando lá chegámos, voltei a espreitar o Sol. Estava com o aspeto que podem ver na imagem anexa e que foi retirada daqui  tal como o vídeo que também apresento  



A minha neta Marta (4 anos) que ontem jantou em minha casa, logo que chegou começou a falar-me do eclipse e fiquei espantada como a miúda o explicava. Com as mãozitas figurava a terra e a lua. O candeeiro era o sol. Dobrando uma mãozita e mantendo a outra aberta.mostrava a sombra da primeira sobre a segunda. E a propósito disso começou a falar de planetas, de estrelas...Comentei: Tenho uma neta fantástica. Ela retorqui: Eu tenha uma avó fantástica. E logo de imediato completou. Eu tenho duas avós fantásticas. São as melhores do mundo. Nâo, são as melhores da galáxia.

Contrariamente ao irmão que, no infantário, teve uma educadora muito fraquinha, a Marta tem uma educadora muito boa, que os estimula muito e que ela adora.

A terminar coloco um excerto do meu livro "Pelo sistema solar vamos todos viajar" e que se refere aos eclipses.


4 comentários:

  1. O meu neto Daniel fez há 2 anos, um desenho para o dia dos meus anos, em que me punha num pódio em 1º lugar. Na altura disse-lhe: sabes a avó Amélia fica triste se vê este desenho aqui no frigorífico ( mas ainda lá está!!!).
    Este ano voltou a fazer um desenho e escreveru Para a Avó Gineca a melhor avó do mundo ( ex-aequo) ! :)

    ResponderEliminar
  2. O melhor do mundo são as crianças, como diz o POETA
    Ab
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Olá Nana! Sou a Educadora da Marta e fiquei muito comovida com o que escreveu. Muito obrigada. Aproveito para a convidar a vir a nossa sala, contar a sua história "Pelo sistema solar vamos todos viajar". Bjs Maria João Silva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria João.
      O seu comentário foi uma surpresa muito agradável. Nunca imaginei que tivesse conhecimento do meu blogue.
      Aproveito para felicitá-la pela forma como faz chegar a ciência a crianças tão pequeninas.
      Irei com o maio prazer à vossa sala.
      Deixo o meu e-mail para podermos contactar mais facilmente rasg1410@gmail.com
      Ab
      Regina Gouveia


      Eliminar