Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Sons do espaço

Os sons não se propagam no espaço  porque, tratando-se de ondas mecânicas, necessitam de  um meio material onde se possam propagar. Apesar de não existir som no espaço, existem vibrações eletromagnéticas dado que as ondas eletromagnéticas se propagam no vazio. 

A presença do homem no espaço criou uma variedade de sons que podemos associar à exploração espacial, incluindo a frase que ficou eternizada pelo cinema “Houston, we’ve had a problem” (Houston, tivemos um problema). A bordo do Apollo 13, o astronauta James A. Lovell comunicava à Terra que tinham tido uma rotura no tanque de oxigénio.
"Beeps", ondas, ruídos nas emissões, vozes, problemas e celebrações, mais de 60 sons das missões da agência espacial norte-americana estão livremente disponíveis na internet. 

Esses sons são originados pela interação das partículas eletromagnéticas dos ventos solares, ionosfera – parte da atmosfera a partir dos 80 quilómetros de altura – e o campo magnético dos planetas, permitindo que estas vibrações sejam audíveis pelo ouvido humano.

Há sons na Terra que nos fazem imaginar o espaço, culpa das bandas sonoras dos filmes de ficção científica ou de outras criações artísticas. “Also sprach Zaratrustra”, de Richard Straussé um desses exemplos.

Esta referência à obra de  Zaratustra aguçou-me a curiosidade sobre o filósofo do qual conhecia pouco mais que o nome. Na Internet encontra-se disponível a obra
bem como comentários que nos ajudam a interpretá-la.
Deixo um excerto de um desses comentários

Nietzsche no livro "Assim falava Zaratustra" dá voz àquele que desejou existir: "o super-homem".
O super-homem é precedido por Zaratustra e por todos os mortais. Nietzsche considera que "deus está morto", mas algo semelhante é capaz de ser criado. Essa criação fundar-se-ia no super-homem, onde um homem supremo viria revolucionar o mundo do comum dos mortais.
Zaratustra, a personagem que precede o super-homem, vive numa caverna e dela, um dia, resolve sair. Após essa saída introduz aos homens, a si mesmo, e às coisas, um discurso superior que, além da super-crítica que faz acerca dos homens, também fala do outro (o super) que poderá existir.
Pouco fica por generalizar e comentar nos discursos de Zaratustra; evidencia a liberdade que os homens podem ter e não exercem apenas por medo; Assim, nos discursos, existe a revelação de que os homens não foram apenas a imagem histórica que as instituições procuraram transmitir. Os homens também foram um ser livre, ou tentaram.
A clarividência de Zaratustra é feita de uma forma discursiva que se demarca pela oralidade nele contida. Assim grita Nietzsche ao mundo na forma de Zaratustra, que não gostando do que vê, fecha-se novamente na sua caverna. E dança...

Alguns excertos
Vede o ar envergonhado e pálido que a lua toma perante a aurora!
Pois eis a aurora que aparece já, ardente; vem cheia de amor pela terra. O amor do sol é sempre inocência e desejo criador.
Olhai-o, acorrendo impaciente de além dos mares. Não sentis a sede e o hálito ardente do seu amor?
Ele quer beber o mar e até aspirar toda a sua profundidade, e o desejo do mar segue para ele os seus milhares de seios.
Quer ser beijado e aspirado pela sede do sol; quer tornar-se brisa e altura e caminho para a luz; e luz ele próprio. Em verdade é com um amor solar que amo a vida e todos os mares profundos.
Luís Rijo  

Ainda a propósito do Nietzsche(1844-1900)



É preciso ter o caos dentro de si para dar uma estrela bailarina (Nietzsche)


Nietzsche Arte e Valores Morais 

4 comentários:

  1. Prof.ª Regina, desvendei funcionamento do CÉREBRO HUMANO. Favor, leia última post: Ensaio Sobre o Racismo - e a origem das emoções humanas (blog: cerebro selvagem). Ajd-me divulgá-la. OBG. At.te - Amauri Hirakawa.

    ResponderEliminar
  2. Caro Amauri
    Seja bem vindo a este blogue. Já li a sua última postagem mas para poder divulgar precisava de saber um pouco mais de si. Que formação tem? Em que se ocupa?
    Fico a agurdar a sua resposta
    Regina Gouveia

    ResponderEliminar
  3. Querida amiga Regina
    Que saudades tenho de procurar tanta cultura cultura nos seus blogs!!! Mas tenho andado doente, deprimida e sem vontade de continuar a ser eu. Mas vou recuperar. Sinto-me melhor mas ainda deprimida. Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  4. Já tinha sentido a sua falta. Lamento que esteja com problemas de saúde. Quanto à depressão desafio-a a tomarmos um cafezinho um dia destes. Um grande abraço
    Regina

    ResponderEliminar