Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Feliz 2012 com ou sem bosão de Higgs

Os físicos acreditam que o tímido bosão de Higgs se revelará em 2012

O "ultra-tímido" bosão de Higgs pode, finalmente, ter-se mostrado no LHC. Ambos os detectores principais, ATLAS e CMS, descobriram indícios de um Higgs leve. A ser verdade, o Modelo Padrão de Partículas estaria completo.


Ainda mais emocionante, um Higgs com uma massa perto de 125 giga eléctrão-Volt/c2, seria também o início de um caminho num terreno inexplorado. Ser tão leve implicaria pelo menos um novo tipo de partícula para estabilizá-lo. "É muito emocionante", afirmou o porta-voz do CMS, Guido Tonelli. "Este poderá ser o primeiro anel de uma cadeia de descobertas."


Sendo a principal teoria de como partículas e forças interagem, o Modelo Padrão tem sido um sucesso espectacular desde que foi proposto na década de 1960. Mas ele só funciona no pressuposto de que o bosão de Higgs existe realmente. A partícula é o cartão de visitas de uma entidade invisível chamado o campo de Higgs, que conferirá a massa às partículas. O problema é o Modelo Padrão não poder prever a massa do Higgs. Os físicos começaram, há vários anos, a sua caça em aceleradores de partículas na versão menos massiva. Experiências têm vindo a descartá-la num intervalo de massas, com excepção de uma janela estreita entre os 115 e 141 GeV/c2.


Agora(…) os físicos do Large Hadron Collider, do CERN, perto de Genève, Suiça, Tonelli e Fabiola Gianotti, chefe do detector ATLAS, apresentaram, separadamente, os resultados de mais de 300 mil milhões de colisões de partículas de alta velocidade efectuadas no ano passado. "Esta é a primeira vez que nós estamos realmente a explorar a sua massa em toda a região com a sensibilidade certa, o que permitirá que se há algo lá então começaremos a ver alguma coisa", diz Tonelli




Ainda a propósito do bosão de Higgs Carlos Fiolhais disse respondendo ao filósofo Fernando Belo

FB:"Uma tribo de milhares de físicos, suspensa dum acontecimento anunciado numa máquina de 27 km de percurso. Se se provar que o famoso bosão de Higgs existe (embora sem 'aparecer'), a pergunta ingénua que faz o leigo é: e depois, a Física fica completa, acaba?"


CF:Respondo neste espaço. Não, não está de maneira nenhuma à vista o fim da Física, quer apareça, quer não apareça a partícula de Higgs. Não sendo especialista na área, tenho defendido o fantástico empreendimento que a numerosa "tribo" de físicos tem realizado no CERN, entre a Suíça e a França. Trata-se de um exercício colectivo de física fundamental, da união internacional de esforços para verificar se uma dada peça prevista pelos físicos teóricos para compreender a existência de massa de partículas existe ou não no nosso Universo. Ninguém melhor que o Nobel da Física Steven Weinberg afirmou a propósito da nossa necessidade da Física fundamental: "O esforço para compreender o Universo é uma das poucas coisas que eleva a vida humana acima da comédia e lhe confere um pouco da dignidade da tragédia.” Não penso que tenha sido bom para a ciência a não-notícia que foi, há dias, o anúncio em Genebra da não-descoberta (até agora) do Higgs. Esta partícula só merecerá uma conferência de imprensa quando, de facto, for notícia. Pode ser que o venha a ser. Ou pode ser - surpresa, surpresa! - que não. A Física avançará tanto num caso como noutro(...).


A existência do bosão de Higgs foi postulada na década de 1960 pelo físico britânico Peter Higgs. Antes dele, Isaac Newton descobrira que a gravidade é a força de atracção que existe entre todas as partículas com massa e Albert Einstein demonstrara a equivalência entre massa e energia, mas nada disto serviu para responder a duas questões: o que é, afinal, a massa, e de onde é que ela provém?
Enquanto esta partícula subatómica não for detectada, os cientistas não conseguem explicar a existência da própria matéria, à luz do actual modelo de compreensão da matéria e das forças que a unem - o chamado Modelo Standard. Por outras palavras, sem o bosão de Higgs fica mais difícil explicar porque é que existem coisas no Universo.

Termino com um poema meu dedicado ao bosão de Higgs, o desejo de que 2012 revelando-o ou não, seja para cada um, o melhor possível , o poema de Ano Novo de Carlos Drummond de Andrade e um concerto de Ano Novo 2011 em  Viena

Existirá desde o primeiro momento


ainda sem espaço, ainda sem tempo,


sem quando, nem onde,


em que o tudo era simplesmente o nada?


Afinal, a massa de onde é que provém?


É este, em essência, o segredo que, cioso, esconde,


mau grado o empenho de toda a ciência.


Cioso, acanhado, quiçá temeroso de um qualquer depois,


ainda mais terrível do que eme cê dois


na bomba de Hiroshima


O bosão de Higgs existirá ou não?


Eis a questão

Regina Gouveia 2011


Para você ganhar belíssimo Ano Novo



cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,


Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido


(mal vivido ou talvez sem sentido)


para você ganhar um ano


não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,


mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,


novo até no coração das coisas menos percebidas


(a começar pelo seu interior)


novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,


mas com ele se come, se passeia,


se ama, se compreende, se trabalha,


você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,


não precisa expedir nem receber mensagens


(planta recebe mensagens?


passa telegramas?).


Não precisa fazer lista de boas intenções


para arquivá-las na gaveta.


Não precisa chorar de arrependido


pelas besteiras consumadas


nem parvamente acreditar


que por decreto da esperança


a partir de janeiro as coisas mudem


e seja tudo claridade, recompensa,


justiça entre os homens e as nações,


liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,


direitos respeitados, começando


pelo direito augusto de viver.


Para ganhar um ano-novo


que mereça este nome,


você, meu caro, tem de merecê-lo,


tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,


mas tente, experimente, consciente.


É dentro de você que o Ano Novo


cochila e espera desde sempre.
Carlos Drummond de Andrade

2 comentários:

  1. Olá Regina
    Como sempre gostei muito do seu post.
    O seu poema é mais um exemplo do seu sentido de professora e investigadora. Existirá ou não o bosão? Não sabemos, mas é necessário continuar a investigação até que se possa dar mais um passo no conhecimento do Universo. E depois a Ciência não para, como diz Carlos Fiolhais. É preciso continuar para que mais certezas apareçam a desvendar os aparentes mistérios que envolvem os nossos conhecimentos.
    Agora uma opinião minha. O que 2012 nos poderá trazer de bom, será mesmo a descoberta do bosão de Higgs, embora segundo Carlos Drummond de Andrade é dentro de nós "que o Novo Ano cochila e espera desde sempre"
    Mas, apesar do meu pessimismo(ou realismo)só quero desejar-lhe um próximo ano com toda a felicidade possível.

    Um beijo grande ,Regina.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Graciete.Partilho do seu pessimismo.Infelizmente não nos esperam bons tempos. Apesar de tudo desejo-lhe o melhor 2012 possível
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar