Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

ERRO AO ABRIR

Por razões que desconheço, o blog deixou de abrir na página inicial. Agradeço que "cliquem" nesta para aceder às mensagens.
Obrigada pela compreensão

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

E porque é Natal...

E porque é Natal, deixo alguns presentes.
O primeiro é um vídeo sobre o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.
Vale a pena uma visita “real” ao Museu. Falo por experiênia própria.


O segundo presente vai também na forma de vídeo



A canção "Oração das Mães", nasceu do resultado de uma aliança entre a cantora-compositora Yael Deckelbaum, e um grupo de mulheres corajosas, liderando o movimento de "Women Wage Peace". O movimento surgiu no verão de 2014 durante a escalada de violência entre Israel e os Palestinos, e a operação militar "Tzuk Eitan". Em 4 de outubro de 2016, mulheres judaicas e árabes começaram com o projeto conjunto "Marcha da Esperança". Milhares de mulheres marcharam do norte de Israel para Jerusalém em um apelo à paz. Uma chamada que atingiu seu pico em 19 de outubro, em uma marcha de pelo menos 4.000 mulheres metade delas palestinas, e metade Israelita, em Qasr el Yahud (no Mar Morto do Norte), em uma oração comum pela paz. Na mesma noite, 15 mil mulheres protestaram na frente da casa do primeiro ministro em Jerusalém. As marchantes juntaram-se com a vencedora do Prêmio Nobel da Paz, Leymah Gbowee, que levou ao fim a Segunda Guerra Civil Liberiana em 2003, pela força conjunta das mulheres. Na canção, Yael Deckelbaum combinou uma gravação de Leymah, tirada a partir de um vídeo do youtube em que ela tinha enviado suas bênçãos para o movimento.
A luta das liberianas pela paz "não é uma história de guerra tradicional. Trata-se de um exército de mulheres vestidas de branco, que se levantaram quando ninguém queria, sem medo, porque as piores coisas imagináveis já lhes tinham acontecido", escreve Leymah Roberta Gbowee na sua autobiografia.
"Trata-se da forma como encontrámos a força moral, a perseverança e a coragem de levantar as nossas vozes contra a guerra e restabelecer o bom senso no nosso país", adianta.
Leymah Gbowee,  que fundou ou dirige várias organizações de mulheres, participou na Comissão Verdade e Reconciliação.
Não há caminho para a paz, a paz é o caminho. A paz é o acminho

Este vídeo sugeriu-me, de imediato, alguns “pensamentos” célebres
Não existe caminho para a paz. A paz é o caminho
Mahatma Gandhi
A paz é a única forma de nos sentirmos realmente humanos.
Com armas pode vencer-se a guerra mas a paz não se conquista.
Albert Einstein
A paz depois da guerra é o silêncio dos mortos e o espanto mudo dos vivos.
Valter da Rosa Borges
A felicidade não é fruto da paz, é a própria paz.
Émile-Auguste Chartier
A Paz obtida com a ponta de uma espada não passa de uma simples trégua.
Pierre-Joseph Proudhon
Quantas guerras terei que vencer por um pouco de paz?
Maria Bethânia
E a este propósito deixo mais um presente, o próximo vídeo.
Eis o penúltimo presente- uma carta de Mia Couto datada de 2003 para o Presidente do Estados Unidos .
Passados catorze anos a essência da mensagem “assenta “ na perfeição ao presidente atual.
in Mia Couto,  Pensatempos ,2005
E agora, o último presente, uma obra de Tapies  artista plástico que, em 1984,  recebeu o Prémio da Paz das Nações Unidas.



Esta e outras obras poderão  ser vistas aqui

Sem comentários:

Enviar um comentário