Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

domingo, 4 de dezembro de 2016

O Outono está a findar….


A  minha amiga Virgínia Barros, uma excelente fotógrafa, dedicou ao outono uma das sua últimas mensagens: Vale a pena passar por “lá” 

Eu, para além de não ser grande fotógrafa, ultimamente tenho o tempo muito ocupado. Hoje, na rua, entre várias folhas belíssimas, estavam sementes aladas de cedro.
Algumas sementes desenvolveram, ao longo da evolução, adaptações que permitiram a colonização de novos ambientes, de forma bastante eficiente.  
Recolhi algumas juntamente com folhas


É também no fim do Outono que tem lugar a Semana de Ciência e Tecnologia que, em 2016 foi a semana que se iniciou a 21.
Esta semana terá que incluir o dia 24 de novembro, Dia Nacional da Cultura Científica. Este Dia foi criado em 1996 em Portugal e foi escolhido o dia 24 de novembro para a sua celebração pois foi neste dia (em 1906) que nasceu Rómulo de Carvalho, o professor de Física e Química responsável pela promoção do ensino de ciência e da cultura científica em solo nacional e também poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão.

Comecei a semana com uma visita ao Infantário da Escola Bom Pastor . Fiz alguns atividades com as crianças e no fim cada uma delas levou para casa um disco de Newton.
Tive a preciosa ajuda da Associação de Pais que os recortaram. Basta colocar um fio no orifício e fazer girar o disco para que as várias cores se “mesclem” dando a sensação de branco. A associação ao nome do grande físico Newton, deve-se a que o mesmo fez estudos sobre a luz nomeadamente sobre o arco-íris. 
Terminei a semana no Colégio Santa Eulália, visita solicitada pela PE.
No  link poderão ver  imagens do colégio e de várias iniciativas levadas a cabo no mesmo.
Uma delas é a “Casinha do escritor”. Cada escritor que por ali passe terá que cortar uma fita para ter acesso à "casinha" onde se vão acumulando fotos dos escritores que por ali passam. Deverá também oferecer um objeto simbólico. Eu deixei um espectroscópio que fiz e com o qual algumas crianças se deliciaram a ver o arco-íris.




Em contrapartida, recebi uma oferta da escola, um livro com poemas ilustrados, tudo feito pelas crianças. Todos mereciam ser destacados mas são muitos pelo que incluo apenas um 


Ainda antes da minha intervenção tive direito a uma visita à escola guiada essencialmente por dois alunos do 4º ano, a Ânia e o Francisco

No dia 28, celebrámos o 80º aniversário da mãe da minha nora Teresa. Está muito bem apenas com problemas graves de artroses nos joelhos. Foi operada há cerca de dois meses a um dos joelhos e já se movimenta um pouco melhor.
Eis o bolo que a Teresa fez e decorou.


Com a música do Alecrim, cantámos-lhe uma canção alusiva à data. O José e eu tocámos Ukulele e o Nuno flauta. Estiveram presentes quatro gerações da família:  filha, netos, sobrinhos, sobrinhos netos e uma sobrinha bisneta. Estava muito feliz.

Na 5ª feira, que felizmente voltou a ser feriado, aproveitei para descansar um pouco. 
Daqui a pouco chega um sobrinho meu que tem vindo a Portugal com alguma regularidade. Desta vez vem em trabalho. É engenheiro sanitário e foi visitar algumas instalações na Alemanha, em França e termina a visita no Porto. Vem com ele um colega e ambos ficarão em minha casa. Infelizmente vêm por pouco tempo pois dia 7 regressam ao Brasil. Mas vai dar para matar saudades….

Termino com Gedeão

Amargo estilo novo

Tudo é fácil quando se está brincando com a flor entre os dedos
quando se olham nos olhos as crianças,
quando se visita no leito o amor convalescente.
É bom ser flor, criança, ou ser doente.
Tudo são terras donde brotam esperanças,
pétalas, tranças,
a porta do hospital aberta à nossa frente.

Desde que nasci que todos me enganam,
em casa, na rua, na escola, no emprego, na igreja, no quartel
com fogos de artifício e fatias de pão besuntadas com mel
E o mais grave é que não me enganam com erros nem com falsidades
mas com profundas, autênticas verdades.

E é tudo tão simples quando se rola a flor entre os dedos
Os estadistas não sabem,
mas nós, os das flores, para quem os caminhos do sonho não guardam segredos,
sabemos isso e todas as coisas mais que nos livros não cabem. 


Gedeão, A. in Poesias Completas






2 comentários:

  1. Querida Reginamiga

    A "culpada" de eu aqui chegar foi a Gracitamiga de quem sou admirador desde o Terciário Superior e que para mim ela é a Poesia.

    O Caesar não vai ler isto e portanto não exigirá direitos de autor e por isso posso dizer veni, vidi, placuit.

    Isto porque o blogue é muito interessante e - na qualidade de antigo chefe da Redacção do DN - acho que és uma excelente repórter e repórter fotográfica, ou seja acumulas... :-)))))))))))

    Tenho dito

    Qjs = queijinhos = beijinhos do

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Henrique, não só pela visita mas pelas gentis e generosas palavras.Presumo que a Gracitamiga é a Graça Pires de cuja poesia gosto bastante. Por isso cito-a várias vezes neste blogue.
    Ultimamente tenho o tempo de tal modo preenchido que, por vezes passo bastante tempo sem aqui vir e, mais ainda, sem visitar os blogues amigos.É caso da "Travessa"onde creio que já não vou desde a vossa ida à Índia cuja reportagem fui seguindo.
    Vou passar por lá. E quanto a ti vai aparecendo que és sempre bem vindo
    Ab
    Reginamiga

    ResponderEliminar