Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Fim de semana...

Regressei anteontem do meu nordeste, onde fui passar o fim de semana. Já lá não ia desde a Páscoa O tempo, uma das causas que foi impedindo anteriores  idas programadas, estava fabuloso
Fui ver o Sabor, mais uma vez. A albufeira da barragem já está a encher  mas, da minha aldeia,  ainda  se identifica bem o antigo leito.
O Santuário de Antão da Barca, já “partiu”, deixando o lugar vago para o mar de água que, em breve, ali se quedará.  Altaneiro, vê-la-á de longe e sentirá saudades da água que ali corria, por vezes buliçosa.


Entre calhaus e areias, grossas, finas,
virgens porque há muito não pisadas,
e mescladas de vegetação rasteira,
resistem ao tempo, no fundo da ladeira,
umas ruínas de um açude, um canal e um moinho,
cuja  cobertura se perdeu 
como  todos os anos se perdia quando o rio,
nas enchentes,  lúbrico crescia.
Ainda hoje o  rio umas vezes adormece
outras galopa na viagem.
Do moinho que  agoniza junto à margem
resta, corroída,  uma mó que em tempos
transformava grão em pó.
Restam também vestígios de uma antiga construção
e,  numa fraga,  escavada uma pequena cova,
talvez  a gamela de um cão. Quiçá um perdigueiro,

companhia de caça do moleiro. 

(In Gouveia, R., Magnetismo terrestre, 2006)


 (…) Ó banzas dos rios , gemendo descantes (…) António Nobre

Jovial, fagueiro, por vezes arrebatado, violento,
assim corria o rio, outrora, em sobressalto ou lento.
Barítono, tenor, baixo, soprano, contralto,
cantava árias de amor e de paixão.
Aprisionaram-no. Tentou lutar.
Foi impotente perante a muralha de betão.
Parado, triste, agora já não canta.
Tem um nó na garganta.

 (In Gouveia, R., entre margens, 2013)











O novo espaço está com ar  “simpático”. A capela já foi trasladada mas no interior ainda  há muito a fazer.
Também fui à vila ...Ali, na Casa da Cultura estava patente uma colectiva de fotografia-"Momentos Vintage". 

Nunca ouvira falar de qualquer dos artistas. Na Net só encontrei alguns dados sobre Fernando Durão,  do qual deixo o texto anexo retirado de um folheto


Ao fazer as pesquisas soube que  Alfândega da Fé  poderá vir a fazer parte da  maior Reserva da Biosfera da Europa 

Ontem, quando regressava ao Porto, como sempre com a Antena 2 ligada, ouvi algumas obras muito interessantes. Dou conta de duas.
Cenas portuguesas de Viana da Mota e a ópera, Os prazeres de Versalhes, do compositor Charpentier

Ao descrever a ópera o apresentador referiu que um dos prazeres a que a mesma se referia era o chocolate. Achei um pouco estranho que à época, já fosse conhecido na Europa. Assim fiz a pesquisa que podem ver aqui e fiquei um bocadinho mais culta...

Não consegui encontrar a ópera na NET mas deixo-vos com um excerto de uma obra do compositor, que por certo ouviram muitas vezes. Eu não sabia qual o autor...

 A terminar, convido-vos para o festival Sete Sóis Sete Luas







5 comentários:

  1. Olá Regina
    Como conseguiu transformar uma viagem de fim de semana em tanta informação e cultura?!!!!
    Apreciei muito tudo o que li, quer os seus poemas, quer os textos musicais, assim como a referência ao chocolate e à exposição de fotografia. Também fiquei contente por saber que Alfândega da Fé pode vir a transformar-se na maior Reserva de Biosfera da Europa. E dou-lhe os meus parabéns pelo Festival Sete Sóis, Sete Luas. Aí deve andar mão da Regina e do Zé Lopes(acho que não me enganei no nome), Gostava de passar por lá, mas não será possível.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Graciete
    Não tenho nada a ver com o festival. Já se realiza há vários anos, pelo menos desde o 1º mandato da atual Presidente da Câmara (que cumpre agora o 2º mandato
    Quanto ao Zé Lopes creio que também não pois está muito envolvido no Agrupamento de Escolas de que é Presidente
    Finalmente, se de 15 de Julho a !0 de Agosto quiserem ir lá terei muito gosto em recebê-los
    Ab
    Regina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe Regina. Como a Regina e o Zé Lopes tanto se interessam pela cultura, pensei que a iniciativa também fosse vossa.
      Mas seja lá de quem for é uma ótima iniciativa que também podia vir de si devido à sua atividade em prol da cultura que eu conheço bem. Mas gostava de visitar o Festival, até porque pouco ou nada sei do que se vai passando pelo interior deste país.
      Um beijo, Regina.

      Eliminar
    2. O convite está de pé...
      Bj
      Regina

      Eliminar