Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sábado, 9 de abril de 2011

Breves, semibreves, mínimas, semínimas, colcheias, semicolcheias, fusas e semifusas

Começo pelas breves….

Breves notícias de vários eventos

Dia 6

A convite da Escola Secundária, formulado pela colega Celeste Moniz, fui a Fafe para, na semana que a Escola dedicou à Ciência, fazer duas intervenções para alunos: uma,  A maçã de Newton, de manhã para alunos de três turmas de 11º ano e a outra, de tarde, Pelo sistema solar vamos todos viajar, para três turmas de 8º ano. Um grupo de professores empenhados acompanhou os alunos. Destes, alguns houve que participaram muito bem; outros, nem por isso…

A colega Celeste Moniz, pessoa extremamente dinâmica, que só conheci pessoalmente quando cheguei a Fafe, sabendo que eu pintava tinha-me solicitado alguns quadros para serem expostas na Casa da Cultura.

Solicitou –me ainda uma palestra para o público em geral, que após a inauguração da exposição, teve lugar na Biblioteca Municipal. Achei que o tema mais adequado seria “Ciência e Poesia à volta da luz e da cor”.
Acho que correu bastante bem.
Agradeço ao escritor Artur Coimbra e a João Artur Pinto, ambos ligados à cultura de Fafe, todo o apoio dado.

Mas voltando à escola.
Não coloco fotos das sessões com os alunos, decisão que tomei a partir de agora para evitar eventuais problemas que daí pudessem advir.
A Escola tem uma dinâmica interessante de que me apercebi, não só através dos eventos programados para a semana já referida, mas também através da revista convida, que já vai no 5º número e cujo director é o professor Carlos Afonso, meu conterrâneo de que já aqui falei numa mensagem em Setembro de 2010.

Aqui fica a capa do nº 4


Finalizo agradecendo aos professores com quem contactei, com especial destaque para Celeste Moniz, a hospitalidade com que fui recebida e na qual não posso deixar de incluir um almoço com uma soberba vitela assada.

Dia 7
Estava eu ainda em Fafe quando telefonaram do espaço cultural Vivacidade a pedir-me para dizer, algumas palavras na inauguração de mais uma exposição de Virgínia Barros, intitulada Da Realidade ao Sonho.

que decorreu no dia 7. Sabia que dia 6 ia chegar tarde ao Porto e que no dia seguinte ia estar desde as 9 ás 17h a cuidar da minha neta de seis meses, pelo que iria dispor de muito pouco tempo para preparar algo. Fiz o melhor que pude mas a Virgínia e a sua obra mereciam, por certo, mais.
Dos trabalhos expostos que poderão visitar no Vivacidade deixo-vos o vídeo anexo que fala por si.

Quanto à inauguração foi um evento muito bonito com semibreves, mínimas, semínimas, colcheias, semicolcheias, fusas e semifusas
O filho e a nora da Virgínia tocaram vários trechos em flauta, alguns acompanhados pelo neto mais velho (7 anos) no violino e o do meio (5 anos) no violoncelo
Um espectáculo musical de uma ternura impar . O neto mais velho ainda leu um poema que o irmão da Virgínia fez, a propósito dum dos quadros expostos
Dia 8
Dispensaram-me das minhas funções de baby sitter. Às 10 h fui assistir na Casa da Música, ao ensaio geral das suites sinfónicas de Shostakovitch. E a propósito da sua obra deixo aqui The Second Waltz
À tarde fui à escola de Ermida em S. Mamede, a convite da livreira Márcia, da livraria Index. Foi muito gratificante. Os alunos, com um comportamento exemplar, receberam-me com leituras e encenações de textos meus. Os seus olhitos brilhavam à medida que eu ia lendo outros textos e fazendo algumas experiências.
Cada vez mais admiro os professores que, mal grado o descontentamento que revelam face à forma como são tratados, dão o seu melhor à escola e aos alunos. Descobri, com agrado, que a bibliotecária é também do concelho de Alfândega da Fé. O mundo é pequeno...
Obrigada a todos.

4 comentários:

  1. Ainda se diz que os alunos são mal educados e os professorres são uns inúteis.O trabalho da Regina e o dos professores e alunos das Escolas que tem visitado, bem o desmentem.
    Dêem-lhes condições e oportunidades.

    Um beijo, Regina.

    ResponderEliminar
  2. Eu bem digo que a Regina consegue ultrapassar a velocidade da luz e chegar a todos os lados ao mesmo tempo.
    É impressionante o que tu consegues fazer, como Avó, professora, poeta, educadora, cientista, pintora e .....que mais? Amiga, sim, sempre, basta ler o que escreveste para mim e que nunca mais esquecerei.
    Hoje vem um artigo interessante do António Lobo Antunes na Visão sobre a obra e o criador. Como eu , ele sente que depois de acabarmos uma obra, seja livro ou pintura ou outra coisa qualquer, ela adquire uma independencia própria e custa-nos a acreditar que foi feita por nós!

    O teu trabalho com os alunos é espectacular. Penso que deve ser das coisas mais bonitas que alguém fez depois de aposentada. É duma generosidade extraordinária. Não cesso de o afirmar.
    Obrigada por seres quem és.

    ResponderEliminar
  3. Eu também agradeço o ter-vos como amigas porque considero que ambas são pessoas muito especiais.
    Um beijinho grande
    Regina

    ResponderEliminar
  4. Se de facto pode fazer a conexão entre as diversas Artes, gostaria de lhe enviar um poema com 47 poesias para dar a sua opinião e possivelmente prefaciá-lo. Agradeço a sua resposta, Daniel Cristal,
    endereço electrónico: armando.r.s.figueiredo@gmail.com

    ResponderEliminar