Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

terça-feira, 13 de abril de 2010

Poderá o nosso universo ter-se formado dentro de um buraco negro que existe noutro universo?

Será possível o nosso universo estar dentro de um buraco negro que se encontra dentro de outro universo muito maior? Alguns, como o físico teórico Nikodem Poplawski, da Universidade do Indiana, acreditam que sim.
A notícia, a ser publicada hoje na Physics Letters B, demonstra que todos os buracos negros podem ter buracos de verme no seu interior, dentro do qual podem existir outros universos. Este trabalho pode explicar a origem da inflação cósmica e ser uma alternativa à teoria do Big Bang (excerto de um artigo publicado em  em Ciência Hoje )
Apesar dos contínuos avanços no conhecimento do Universo, que  representará esse conhecimento face ao que ainda ignoramos? Provavelmente uma pequena gota num infinito oceano de mistério

Ah, que diversidade,


E tudo sendo. O mistério do mundo,

O íntimo, horroroso, desolado,

Verdadeiro mistério da existência,

Consiste em haver esse mistério.

 
Mais que a existência


É um mistério o existir, o ser, o haver

Um ser, uma existência, um existir —

Um qualquer, que não este, por ser este —

Este é o problema que perturba mais.

O que é existir — não nós ou o mundo

Mas existir em si?

Fernando Pessoa in Primeiro Fausto. Mistério do Mundo

E termino com um poema que está para os anteriores na  mesma relação  que   o universo  já conhecido está  para o quanto dele falta conhecer

Scherzo
Do quark à galáxia, por entre a matéria escura,

no Cosmos infinito estará disseminada

uma memória futura.

Talvez nessa memória esteja lavrada a história

dum outro universo, simples mas diverso,

pleno de música, de riso, de cor,

sem ódio, sem guerra, sem dor.

Essa memória futura,

algures no espaço- tempo,

terá, porventura, acordes de um scherzo lento.
Gouveia. R. in Poemas no espaço-tempo (a aguardar edição)

2 comentários:

  1. Olá Regina. Também li esse artigo em Ciência Hoje. Como a Cência tem evoluído e quão pouco nós sabemos!!!!!
    O seu poema é muito lindo e nesse Universo de Paz ,Harmonia, Solidariedade, eu acredito.
    Um dia o encontrarão.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Gostaria de ser tão optimista como a Graciete mas quando vejo tanta preocuapção com o TER e tão pouca com o SER, fico um pouco apreensiva
    Um grande beijinho
    Regina

    ResponderEliminar