Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Vénus poderá ter sido um planeta habitável

Da notícia que foi publicada por Ciência Hoje em 2010-06-29 deixo alguns excertos


A missão da Agência Espacial Europeia (ESA), Venus Express, está a ajudar os cientistas a investigar a possibilidade de Vénus ter tido oceanos. Caso se confirme, a história do astro até pode ter começado num planeta habitável, semelhante à Terra.
Actualmente, ambos são completamente diferentes: a Terra é um mundo luxuriante, onde a vida abunda, enquanto Vénus é infernal, com a sua superfície a ferver a temperaturas superiores às de um forno da cozinha. Apesar das diferenças, “partilham inúmeras semelhanças” – têm praticamente o mesmo tamanho e agora, com a ESA Venus Express, os cientistas planetários verificam que existem outras semelhanças também –, disse Håkan Svedhem, cientista do projecto da Venus Express .

Mas, Vénus tem muito pouca água e se a dos oceanos terrestres fosse espalhada uniformemente pela superfície da Terra, formaria uma camada com três quilómetros de profundidade. Se condensássemos o vapor de água presente na atmosfera de Vénus, formar-se ia um pântano com três centímetros.
Contudo, há milhares de milhões de anos, Vénus tinha provavelmente muito mais água; já que se confirmou que o planeta perdeu uma grande quantidade para o espaço – porque a radiação ultravioleta do Sol atravessa a atmosfera de Vénus separando as moléculas de água em dois átomos: dois de hidrogénio e um de oxigénio. E estes acabam por se escapar para o espaço.

No site indicado poderão ver esta e outras imagens

Desde os tempos mais remotos Vénus, deusa  e planeta,  inspirou os homens da poesia à pintura e à música

O Nascimento de Vênus,  pintura de Sandro Botticelli, data de finais do século  XV (1483?)



Representaões murais na Roma antiga

Da célebre obra de Gustav Holst , Planets, aqui deixo Venus, the Bringer of Peace
Termino com poesia

Vénus


Hora crepuscular. Diáfano, no ar, um véu de nostalgia.


Procuro no Céu a estrela vespertina, divina por alegoria


e que, dita estrela, não é senão planeta, de atmosfera tão densa


que a temperatura se torna tão intensa que não permite a vida,


tal como pela humana crença é concebida.


Talvez seja por causa da energia que flui como calor


que Vénus é a deusa do amor,


amor que arde, amor que mata, amor - paixão como os de Isolda e Tristão,


Euridice e Orfeu, Julieta e Romeu, Pedro e Inês, amor lendário


no imaginário português.

Regina Gouveia

2 comentários:

  1. Só um beijo Regina pelo seu lindo poema.
    E uma interrogação.Até onde poderá chegar o ser humano apesar de já ter percorrido uma tão longa trajectória que tantos mistérios tem desvendado? Continuará em frente ou autodestruir-se-á?
    Mais um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Engraçado....hoje , agora mesmo, puz no meu blogue uma fotografia tirada pelo meu irmão com uma figura de Mulher e um poema de Rabindranah Tagore. O teu post complementa-o ou vice-versa. Sempre me apaixonou saber mais sobre os planetas e gosto de ler novidades descobertas pelos cientistas, que não param de nos surpreender. Este post é tb um pouco assustador, pois poderemos divagar e perguntar-nos o que nos acontecerá - a nós terrestres - daquia uns milhares de anos. será que acabaremos assim???
    Esperemos que não...vivamos para a preservação da Terra.

    Quanto ao poema...o poço não tem fundo, pois não?

    Bjo

    ResponderEliminar