Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

domingo, 30 de outubro de 2016

Carta a um amigo-novo

Foi com surpresa e muita tristeza que soube da morte de João Lobo Antunes. Como tenho referido, ultimamente os meus dias têm sido tão preenchidos que não me apercebi do seu problema de saúde.
Assisti a algumas palestras suas, nomeadamente a uma na Fundação Eng. António de Almeida em que se referiu à postura negativa de muitos reformados, enfatizando que reformar é mudar de forma, incentivando os reformados a encontrar novas formas de “viver”. Foi extraordinariamente interessante como todas as que assisti diretamente ou através de órgãos de comunicação, do youtube, etc
Tenho apenas um livro seu Memórias de Nova Iorque e outros ensaios de que várias vezes usei excertos, em comunicações.
Mas o texto de sua autoria de que mais gosto e que releio de vez em quando, é Carta a um amigo-novo, prefácio ao livro De Profundis, Valsa lenta, de J. Cardoso Pires.
Confesso que embora goste de alguma obras JCP, neste caso gostei bem mais do prefácio do que do livro. Deixo dois excertos.



Nesse prefácio faz referência ao Quarteto das Dissonância de Mozart de que deixo um excerto

Tentei encontrar o texto integral na NET mas não consegui. Nessa busca fui ter a um site 
que se refere à sua morte de um modo comovedor.
...fatalidades que surgem, a que vulgarmente se chama cancros, que estreitam logo a margem da esperança de vida, logo a ele que passou a vida inteira a resolver esta tipologia de doenças fatais, a roubar dias à morte dos outros.

Deixo também três intervenções suas, um vídeo Reflexões sobre Medicina, Literatura e Culturahttps://www.youtube.com/watch?v=jxfc9Jg7Btg


e duas entrevista, uma em 2015 ao JL e outra e outra em 2001, publicada no Diário de Notícias 
Nesta última faz referência a algumas obras de arte, nomeadamente ao Grito de Munch com que 
termino esta mensagem.




5 comentários:

  1. Chorei a morte do João. Conhecia-o desde os meus 16 anos e fui a casa deles várias vezes em adolescente. Gostava deles todos, uma familória de rapazes atraentes - nós éramos seis raparigas - todos muito católicos e aprumados, mas com humor e à vontade. Nunca mais o vi desde que saí de Lx, mas li livros do António e do Nuno e soube da morte do Pedro em 2014. Deixa um vazio grande no mundo da Medicina. O meu irmão editou há uns meses um livro, onde ele está representado. Chama-se os principes da Medicina e foca casos interessantes sobre 100 médicos do sec XX, portugueses e estrangeiros. Pode ser que te interesse. O cancro é uma doença terrível...mas temos de dedicar todo o nosso carinho aos pacientes e esperar que partam com paz e serenidade.
    Bjo

    ResponderEliminar
  2. Numa mensagem que "postei" a 4 de outubro referi-me a um dos programas
    Príncipes da Medicina, com o teu irmão Mário. Muito bons...
    Ab
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Mas eu enganei-me, o João não foi contemplado porque estava vivo e a maioria já morreu. Estou a ler um livro que ele citou e que foi escrito por um neurocirurgião que faleceu de cancro com 36 anos, Paul Kalithini. Fascinante e muito interessante.

    ResponderEliminar
  4. Foi uma enorme perda para todos nós a morte desse grande Homem que foi João Lobo Antunes.
    Foi bom passar por aqui (o que nem sempre consigo).
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada Graça
    Eu também nem sempre consigo passar pela "ortografia...." mas hoje passei logo de manhã. Poema fabuloso. Parabéns
    Bjs

    ResponderEliminar