Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Entre duas interrupções


Já há quase um mês que" aqui". não venho. Da última vez referi que tinha o tempo um pouco limitado pois os netos continuavam em férias. As férias terminaram mas o" tempo não se deve ter apercebido" pelo que continuou escasso.
No dia 2 foi o casamento do filho mais novo da minha comadre a quem já me referi várias vezes. Nascida no mesmo dia e ano que eu, colega de curso, deixou-nos já há sete anos. Tive o imenso privilégio da sua amizade.
No casamento, o noivo entrou dando o braço da irmã que recorda imenso a mãe quando da mesma idade.
Mas a par destes momentos de tristeza e saudade,  a alegria do casamento. Encontrei vários amigos de longa data, nomeadamente colegas de curso e  familiares do noivo


Uns tempos antes, quando pensei no que iria vestir, tive a ideia de levar algo pintado por mim. Adquiri tintas para tecidos e comecei a fazer experiências. A primeira foi uma túnica que eu mesma fiz e de que deixo a foto bem com um destaque da pintura (as fotos foram tiradas com o telemóvel pelo que estão muito fracas)


As minha noras gostaram muito e decidi comprar e pintar uma t-shirt de algodão para cada uma. Ficaram muito giras.
Animada por estes "sucessos" pintei um conjunto túnica e "écharpe"  que usei dia 2, no referido casamento.
No dia 3 a minha neta Rita fez 14 anos e no dia 4 começaram as aulas. Mas devido a  uma série de imprevistos o tempo voou....
Na segunda semana de aulas, o meu neto Bernardo esteve toda a semana de cama com uma amigdalite mas esse foi apenas um pequeno contratempo.
Como já referi mais que uma vez, tenho, pelo lado do meu pai, dois irmãos brasileiros mais velhos que eu 10 e 14 anos. Damo-nos muito bem pelo que, ao longo dos tempos, tenho recebido visitas de irmãos, sobrinhos, sobrinhos netos, bem como já fui por duas vezes  visitá-los ao Brasil. Para além disso, comunicamos com relativa frequência por skipe,  telefone, mail,etc. Contava ir visitá-los novamente no verão mas, quando na Páscoa os contatei, soube que a saúde do meu irmão, que já há algum tempo se vinha agravando, piorara bastante. Decidi ir já pelo que parto no próximo dia 3 e regresso dia 11. A partir do momento em que decidi ir tem sido uma correria, não só para deixar aqui a vida organizada (refeições congeladas, etc, etc) como para  arranjar pequenas lembranças para os vários membros da família que inclui não só os familiares do lado do meu pai como a família da minha mãe( prevejo encontrar no mínimo 30 pessoas). Teriam que ser coisas leves por causa do peso A partir de vários trabalhos que fiz quando ainda frequentava o atelier de pintura, criei uma série de pequenos quadros que irei levar, a par de exemplares do meu último livro, postais, brinquedos para os mais pequenos, etc.





A propósito de brinquedos fiz,  para levar, um "espetroscópio" ( permite ver o espetro da luz a qualquer hora do dia e da noite).
Sempre que vou a escolas levo uma série destes "dispositivos" e os alunos ficam deliciados.
Todos  nos lembramos, por certo, que o  principezinho ficava muito triste por não poder ver o pôr do sol sempre que lhe apetecesse, como acontecia no seu planeta. Se com um espetroscópio  não podemos ver o pôr do Sol sempre que quisermos, podemos ver o "arco-íris" sempre que nos apetecer...
E por falar em escolas nas duas últimas semanas andei por várias. De todas saí sempre com a mente rejuvenescida.
Deixo fotos de flores e alguns trabalhinhos que me foram oferecidos, nomeadamente  pelas crianças,








 Podem encontrar mais pormenores das visitas aqui, e  aqui

No dia 22, último dia pelas escolas, ao fim da tarde encontrei-me com a minha ex -aluna Raquel,  atualmente médica em Bragança, que veio fazer as últimas provas para a especialidade. Os resultados foram excelentes como  era de  esperar. No encontro esteve  presente a colega Maria do Céu Vieira que foi também professora da Raquel. Foi um fim de tarde extremamente agradável
depois  de "tanta corrida".
Termino com dois poemas, um meu e outro  de Manuel Alegre e  de que gosto muito

Procuro o tempo

Procuro o tempo por detrás do tempo.
Procuro um tempo, linha aberta,
não sei se parábola, se reta,
fluindo em direção ao infinito.
Procuro o tempo por detrás do tempo
mas o que encontro é já um tempo elíptico,
linha fechada, quase circular, veloz,
a convergir para o centro
onde não há tempo por detrás do tempo
e já não faz sentido procurar
Gouveia, R




CANÇÃO DO TEMPO QUE PASSA

Não tenho muito tempo para o mar
para nadar no mar para pescar
para nadar e amar não tenho tempo
para outras coisas em ar: o frio aperta
os ossos doem o coração palpita.
Vou pela praia contra o vento mas
sei que tudo agora é sempre assim
contra a corrente o tempo o próprio pensamento
na areia mole os pés vão-se enterrando
já não batem crawl como batiam
já não logram correr como corriam
e no entanto o tempo agora é de corrida
contra o tempo se corre contra o tempo
contra o tempo se corre e assim se morre
em frente ao mar olhando a desmedida
distância entre a tão curta vida e o amor dela
sobretudo ao crepúsculo quando o mar
nos interpela e nos apela a caravela
do coração se põe de novo a navegar
mesmo sabendo que já não há partida
e que as rimas em ar estão a acabar
e todo o tempo agora é contra o tempo
e mesmo sem correr so há corrida.
Alegre, M

4 comentários:

  1. Comecei a pintar em tecido quando o meu filho João protagonizou uma das personagens do musical CATS no colégio alemão. A indimentária era toda preta, calças e t-shirt, mas com riscas douradas, prateadas e brancas enviesadas de cima abaixo, fazia um efeito espantoso com as luzes dos holofotes e contrastava com os outros gatos, que tinham quase todos peles e bigodes. Ainda tenho guardado esse fato!
    Também tenho muita famíia no Brasil, mas agora se fizer uma viagem longa é a Goa, o João anda a convencer-me a ir lá para o ano.
    Não gosto muito dos quadrinhos pequeninos, devo confessar que tens alguns grandes bem melhores!!
    Já deves ter ido a quase todas as escolas do país com tantas visitas que fazes todos os anos!!
    Boa viagem e boa saúde dos teus familiares!!

    Bjo

    ResponderEliminar
  2. Eu nunca tinha pintado em tecido e gostei.Relativamente aos quadrinhos, a limitação do tamanho advém da necessidade de caberem na minha maleta de bordo (quando viajo tento levar apenas bagagem de mão)e serem leves. Também acho que tenho trabalhos melhores .
    Quanto à ida a Goa, acho que deves ir pois já por várias vezes manifestaste esse desejo. Quando estive na Índia não fui a Goa mas dizem que vale a pena
    Ab
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Muito criativas as suas pinturas. Quanto ao tempo e corre e não vale a pena corrermos com ele...
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Graça. Tenho ido ao seu blogue mas não tenho comentado essencialmente porque tem sido um tempo de corrida...
      Ab
      Regina

      Eliminar