Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

terça-feira, 24 de março de 2015

Bugiada e mouriscada

No blog anterior, a propósito da minha visita  à Escola da Estação em Valongo, falei da artista plástica Cláudia Moreira.

(...)A artista plástica Cláudia Moreira, que desconhecia, mas que faz trabalhos interessantes em papel, nomeadamente As Marias, tinha estado na escola a dinamizar, com as crianças do 1º ciclo, uma workshop sobre bonecas de papel(...)

No dia 21, Dia Mundial da Poesia, foi também dia de inaugurações no quarteirão Miguel Bombarda. 


Fui com uma amiga e,quando na Rua do Rosário nos preparávamos para entar na galeria Artes Solar de Sto António, vi em frente, do outro lado da rua, uma montra com várias Marias de Cláudia Moreira, de quem até à véspera nunca tinha ouvido falar...
Entrámos na loja, uma loja  bonita no rés do chão dum edifício projetado pelo arquiteto Marques da Silva. A dona da loja mostrou-nos o espaço e falou-nos um pouco das Marias. Mas eu já tinha feito uma pesquisa na NET após me ter sido oferecida, na escola da Estação em Valongo,  a Maria que "mostrei"na mensagem anterior.

Ao fazer a pesquisa na NET encontrei vários sites nomeadamente este Ali deparei com algo de que nunca ouvira falar, a Bugiada.

Mais uma pesquisa.... 

A 24 de Junho, nas Festas de S. João de Sobrado há vários espectáculos cénicos na rua nomeadamente  uma celebração que  simboliza a guerra entre o Bem e o Mal, personificados, respectivamente, por Bugios e Mourisqueiros  numa inversão dos papéis tradicionais. O Bem é desordeiro, folião e anarca, enquanto o Mal apresenta uma postura ordeira, aprumada e correcta.
A origem da festa remonta aos tempos de ocupação muçulmana na Península Ibérica. Depois da exploração das jazidas auríferas por parte dos muçulmanos, os cristãos passaram a viver nos vales e dedicaram-se a actividades agro-pecuárias. Esta comunidade desenvolveu uma grande devoção pela figura de S. João Baptista pois atribuíam-lhe a cura da filha do chefe cristão.
Quando o rei mouro se viu numa situação similar pediu, aos cristãos, a imagem do santo milagroso. Para os convencer, organizou uma festa e uma procissão. Perante a recusa da cedência da imagem, o Reimoeiro, chefe dos mouros, reteve a imagem à força e, para os humilhar, sentou-os numa mesa à parte e serviu-lhes restos e imundices.
Foi uma outra tribo cristã, os Bugios, que os salvou aparecendo mascarados, munidos de ferramentas agrícolas e a emitir gritos estridentes. A acompanhá-los estava um animal fantástico, a Serpe, uma espécie de lagarto, para pregar um susto ainda maior.

Festa da Bugiada e da Mouriscada de Sobrado, que acontece perto de Valongo, conseguiu - e consegue ainda - não sem tensões e contradições, ressignificar-se nas condições da vida difícil dos tempos que correm, nomeadamente junto dos mais jovens. Para muitos vale o que aparece à superfície: uma banal luta entre o bem e o mal. Em Sobrado, porém, não é fácil dizer quem são os bons e quem são os maus. Porque os dois lados habitam cada um, numa tensão que se diria quase irresolúvel. Mais do que de bons e de maus, a Bugiada e a Mouriscada revela-nos, afinal, como pode conviver a identidade com a diferença. Não apenas conviver, mas também vivificar-se.

                                                        Inspiração na festa da bugiada e mouriscada     
Inspiração na festa da bugiada e mouriscada

No vídeo que segue podemos ver como, nesta festa,  coexistem pacificamente o profano e o religioso



Também no dia 21, uma  publicação distribuída no quarteirão citado, fazia referência ao projeto locomotiva que arrancou no final de 2014. Ainda não tinha visitado o espaço  pelo que no dia 22  fui, com o meu marido,  visitá-lo.
Começámos  para tomar café na Rua das Flores, onde agora é um prazer passear e onde vale a pena espreitar a Jóia da coroa.
De seguida fomos visitar o espaço que está a ser criado na Estação de S. Bento.
Aqui ficam algumas imagens





E continuando  a falar de cultura, ontem fui visitar, na Fundação Manuel António da Mota, no espaço Bom Sucesso, a exposição nós na arte tapeçaria de Portalegre e arte contemporânea. Acho que vale a pena uma visita

2 comentários:

  1. Isso é que é energia!! Já vi a xpo de tapeçaria e gostei bastante. À Miguel Bombarda não vou há muito. Já viste a da Almeida Garrett sobre África?

    ResponderEliminar
  2. Sabes até quando está na Almeida Garrett?
    Agora só poderei ir depois da Páscoa.
    Ab
    Regina

    ResponderEliminar