Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sábado, 21 de fevereiro de 2015

O mar...

Tem-me faltado tempo e também alguma disposição para escrever. Em compensação, tenho lido a um ritmo maior do que ultimamente tenho conseguido. Estou a reler poesia (desta vez Albano Martins, Eugénio de Andrade, Casimiro de Brito e Ana Luísa Amaral) e a ler um livro novo(para mim). É de Patrick Modiano e tem por  título  “Na rua das lojas escuras”. Patrick Modiano, Nobel  em 2014, ganhou o o Prémio Goncourt, em 1978, com o livro que estou a ler

Aos sábados geralmente junto toda a família ao almoço, mas o meu filho mais velho e família, no carnaval, aproveitam para fazer uma semana de férias na neve pelo que só regressam amanhã à tarde.  O mais novo e família virão almoçar amanhã  para ainda nos podermos  encontrar todos .
Aproveitando o sábado ”livre” fomos almoçar à praia dos ingleses, onde vamos com relativa frequência (bem menor do que aquela que eu gostaria mas o meu marido gosta pouco de sair...).
A luz intensa, o céu azul, o  mar soberbo.
As ondas batiam  no paredão e “pulavam “ por cima do mesmo.
Ao fundo um barco de pesca, pequeno, enfrentava a ondulação.

Levei comigo “Eugénio de Andrade”. O seu  poema  Mar de Setembro a descrever o mar de Fevereiro que ali se me ofertava

Mar de Setembro  
Tudo era claro:
céu, lábios, areias.
O mar estava perto,
Fremente de espumas.
Corpos ou ondas:
iam, vinham, iam,
dóceis, leves, só
alma e brancura.
Felizes, cantam;
serenos, dormem;
despertos, amam,
exaltam o silêncio.
Tudo era claro,
jovem, alado.
O mar estava perto,
puríssimo, doirado.


Ao nosso lado estava um casal de ingleses. E a propósito de ingleses, vou contar um episódio que ocorreu  na 5ª feira  e que me fez bem ao ego...
Como é habitual, à quinta feira de manhã faço voluntariado no Hospital de Santo António, onde  conjuntamente com um “colega”, orientamos as pessoas que entram pelo edifício “novo “ e pretendem dirigir-se a diferentes consultas.  As pessoas dirigem-se ao funcionário e, se o local da consulta é de acesso complicado ou se o doente tem dificuldades de qualquer ordem (idade avançada, vem de uma zona rural distante, é analfabeto ou quase, etc), nós ajudamo-lo a chegar ao local.
A certa altura o funcionário dirige-se a mim e pergunta: A senhora fala inglês?
Creio já ter  referido aqui que tenho bastante facilidade em falar e entender as línguas latinas mas não se passa o mesmo relativamente à língua inglesa, que vou lendo, mas tenho dificuldade em falar e mais ainda em entender.  
Tratava-se de um senhor escocês. Disse-lhe da minha dificuldade e pedi-lhe que falasse devagar para eu tentar entendê-lo. O senhor assim fez e conversámos muito bem durante o percurso que tivemos que fazer para chegarmos ao local onde a esposa, inglesa, se tinha dirigido para uma consulta.
Perguntei se eram turistas e fiquei a saber que vivem há 6  anos em Portugal, nomeadamente em Amarante e que adoram viver cá. Mas o mais interessante é que o pai, com 92 anos, vive também em Amarante no mesmo prédio porque, quando veio visitá-los pela primeira vez, gostou tanto de Portugal que adquiriu um apartamento junto do filho.
Quando nos despedimos comentou:
Disse que não sabe falar inglês mas eu gostaria de saber falar português tão bem como a senhora fala inglês.

Em terra de cegos quem tem um olho é rei, diz o ditado. Mesmo assim, foi bom para o meu ego.

Regressando ao mar....

Deixo duas obras musicais sobre o mar, o 2º andamento de La mer de Debussy e O Mar de 
Dorival Caymmi que tantas vezes ouvi cantar a minha mãe






Deixo também a obra Ondas de Turner, talvez o pintor que mais pintou o mar



Si hay un sentido constante en las acuarelas de Turner (y también en su pintura al óleo) creo que es el ofrecer a la mirada cielo y mar, arriba y abajo, enlazados en una unidad cósmica. Por ejemplo, mediante el arcoiris, tendido como un gran puente simbólico. O con una serie de pinceladas, de gestos que borran violentamente la línea del horizonte: una ola encrespada que sube hasta el cielo o, a la inversa, una nube que descarga una lluvia furiosa. A veces la unidad total se consigue, paradójicamente, con una perfecta estabilidad, mostrando cielo y mar como dos aspectos paralelos de la misma sustancia, como dos mitades iguales del espacio vacío. 



4 comentários:

  1. Em contrapartida ontem almocei com os meus dois filhos na Foz e hoje com o meu ex- e filhos no edifício Transparente em Matosinhos. Aprovete para fotografado mar mais uma vez. O céu estava plúmbeo, mas andavam muitos surfistas no mar e as ondas eram mais regulares do que na Foz. Adoro aquele rochedo da Praia dos Ingleses onde o mar bate e faz repuxo, é uma das coisas que mais gosto de sair dali com os lábios salgados....a minha Luisa faz-me muita falta e cada vez sinto mais que a vida sem filhos e netos é muito mais vazia.....
    Beijinho
    Parabéns pelo teu inglês!! :)

    ResponderEliminar
  2. Eu também gosto imenso do rochedo que referes. Também partilho da tua opinião quanto à vida sem filho e netos...
    Quanto ao meu inglês, como digo acima, em terra de cegos quem tem um olho é rei... Tenho muita dificuldade na oralidade especialmente em entender
    Só entendi o senhor porque ele falou muito devagar
    Ab
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Olá Regina também gosto muito do mar mas ultimamente ando a sair muito pouco. É a depressão. é o frio, a falta de companhia com filhos muito ocupados, marido sempre doente. Mas lá vou resistindo e tentando ultrapassar esta crise à espera que a Primavera chegue, de facto. Eu nem duvidava que a Regina se sairia muito bem com o inglês. Eu é que sou mesmo uma nulidade.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  4. Quando quer combinar um café, por exemplo na Bertrand do Cidade do Porto?
    O meu inglês é péssimo mas, como referi, o senhor falou muito devagar e por isso o entendi.
    Um gd beijinho
    Regina

    ResponderEliminar