Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Breves


Os portuenses, por nascimento ou por adoção, viram a sua cidade ser distinguida com a classificação de melhor destino turístico europeu, 2014.
Deixo um site onde poderão explorar as belezas da cidade, a voz de Rui Veloso em Porto Sentido  e um poema do meu primeiro livro

Miragem

Estou sentada no café do cais
aqui na Ribeira junto ao rio,
um passante segue pela rádio o  desafio,
e, ao meu lado, uma jovem  enlevada
olha com o olhar perdido  a outra margem,
enquanto um casal recorda uma viagem.
Os demais conversam sobre tudo.
Aqui e além  falares dispersos.
Aqueles ali creio que falam eslavo
e conversam com um ar muito sisudo
Na minha mesa está pousado um cravo
e o livro que ando a ler "Primeiros versos"
Não me apetece ler, de enamorada
que fico  ao olhar  esta paisagem
mista de sonho e de realidade,
nem sei se ela existe ou se é miragem.
Do outro lado, as caves imponentes;
atravesso a ponte e já me encontro em Gaia,
na vila nova que agora  é cidade.
Vejo o Douro, os barcos rio acima
levam turistas e passam indolentes,
vejo as fachadas de granito, e bem por cima
ameaçando chuva o céu cinzento.
Um ar frio perpassa-me, é o vento
o tal a que chamam de nortada.
Regresso e  inicio  uma viagem,
entro num carro eléctrico,  na paragem
e  aí vou eu  vagueando com o olhar,
S. Francisco, S. Pedro em Miragaia,
a  Alfândega,  Massarelos , vários cais.
O eléctrico avança um pouco mais
e do outro lado já vejo o Cabedelo,
o rio encontrou o Oceano, entrou no mar.
Difusos através da bruma,
uma traineira, um navio parado,
que para entrar na barra ao largo aguarda.
enquanto o mar se agita e regurgita  espuma.
A difusão da luz torna tudo mais  belo,
mas o  meu passeio vai findar, não tarda.
O meu corpo está enregelado
e o vento desalinha-me o cabelo.
É quase noite, urge regressar
mas é difícil ter que abandonar
estas paisagens de bruma e de granito.
Não sei se  adivinhando  o meu pensar
uma gaivota solta um pio, aflito.

                 in Reflexões e Interferências (2002)

E porque hoje as mensagens são breves  deixo mais algumas, a primeira  na sequência de uma outra colocada há uns tempos sobre o trabalho de Noé Sendas, a segunda com um texto  ( melhor e-mail do ano.ppt) para reflexão e a última com o "humor"de Quino ,sempre atual...




1 comentário:

  1. Olá Regina
    Gostei muito do seu post até porque é uma prova de que já recuperou do seu estado de saúde menos bom e mantém inalterável todo o seu espírito de
    curiosidade e análise de tudo o que nos rodeia e que
    eu tanto aprecio. Eu também gosto muito da Ribeira do Porto, mas gosto ainda mais de a apreciar da Ribeira de Gaia, o que faço algumas vezes com
    amigas da UPP.
    Quanto ao Porto como destino europeu não é que eu não concorde porque através do seu património tudo nos fala de História de uma época.Mas quanto ao Porto, cidade, lamento muita o seu estado de degradação.
    Também já conhecia o seu poema de que gosto muito além de o sentir profundamente.

    Um beijoi grande.

    ResponderEliminar