Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Nós e o Universo

Gosto de receber e gosto ainda mais de oferecer. As prendas e ofertas preferidas são livros.
 Nós e o Universo é o título de um livro que dei ao meu filho mais velho quando fez 8 anos. Um dia em que estava a ler um texto sobre a translação da Terra, pergunta-me:
Mãe, nós só não damos por isso porque também andamos com a Terra, não é? Se andássemos mais depressa ou mais devagar apercebiamo-nos.


Achei muito curiosa a observação tanto mais que, sendo professora de Física, encontrei alguns alunos que sentiam dificuldade em perceber isso.  De facto, desde que comecei a escrever esta mensagem, há cerca de 5 min, já percorri ( já percorremos...), sem nos apercebermos, nada mais, nada menos 9.000km (300sx 30km/s)...
E recordo um excerto do poema para Galileu de A. de Gedeão

(...)Ai Galileo!
Mal sabem os teus doutos juízes, grandes senhores deste pequeno mundo
que assim mesmo, empertigados nos seus cadeirões de braços,
andavam a correr e a rolar pelos espaços
à razão de trinta quilómetros por segundo.

Tu é que sabias, Galileo Galilei.(...)

Tudo isto vem a propósito da minha visita ao Sol dos pequeninos a que referi há dias. No respectivo site já podem ser vistas algumas fotos. Basta clicar em actividades


E a propósito do Universo há pouco tempo foi divulgado que foram detectados os primeiros neutrinos  de altíssima energia vindos de fora do sistema solar

Após quase meio século de tentativas, uma colaboração científica internacional detectou pela primeira vez, graças a um “telescópio” construído nas profundezas de um glaciar na Antárctida, 28 neutrinos de altíssima energia vindos de fora do nosso sistema solar. Os resultados desta façanha científica – e técnica – são publicados na revista Science com data desta sexta-feira.


Termino com Júpiter, da obra Os Planetas de Holst.  Sendo uma obra de inspiração astrológica não tem nenhum trecho dedicado à terra

2 comentários:

  1. Com a evolução vertiginosa do conhecimento do Universo, os jovens de hoje têm um enorme campo para apreciação e estudo do que será esse Universo, num futuro não muito longínquo. Oxalá saibam ou possam aproveitar esse privilégio!!!
    Quanto ao excerto da obra de Holst, achei-o muito lindo, mas é pena que não tenha dedicado um pouco da obra ao Planeta Terra.

    Um beijo, Regina.

    ResponderEliminar
  2. O Universo sempre me fascinou, talvez porque saímos da limitação e da mesquinhez do planeta :)))
    Gosto de saber estas coisas e consulto muitas vezes a Natinal Geo ou a Nature só para ler coisas. Os meus filhos tb adoravam séries sobre o espaço, sobretudo o João ( lembras-te que foi ouvir a palestra sobre Halley sozinho com 10 anos?)
    Tenho pena que a maioria dos desenhos animados agora sejam sobre monstros maldosos ou futuros catastróficos, que só assustam e nada contribuem para o conhecimento científico das crianças.
    Lindo poema, como sempre.....

    ResponderEliminar