Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

domingo, 15 de setembro de 2013

Episódios e peripécias


No 17º dia chegaram os pais do Tomás. Tinha-lhes feito o convite para almoçarem connosco mas quando acordámos demos conta de que não havia água. Esta é uma situação que ocorre por vezes na aldeia. Assim , quando chegaram partimos para a vila onde fomos almoçar. Diariamente o Tomás contactava com os pais pelo telefone  mas ao almoço foi acrescentando mais pormenores das suas férias… Entretanto eu ia comunicando com a aldeia e a meio da tarde já o problema da água estava resolvido.

O pai, calmo como o filho, fez questão de fazer o jantar. Fez um frango na púcara delicioso, mas de receita morosa. Fui observando o seu desempenho e fiquei estupefacta pois nem uma gota de água ou qualquer outra coisa caiu no chão ao longo de todo o tempo que demorou a confecção do prato. Eu considero que sou muito cuidadosa na cozinha mas não consigo tal feito…

No dia seguinte e porque o Tomás insistia que queria voltar ao rio,desta vez também  com os pais, fomos todos a um local diferente, mais distante, porém  com acesso por estrada.

O meu neto Ju, irrequieto como sempre, pregou-nos um susto pois deu uma queda grande sobre as pedras do rio e de início suspeitámos que tivesse partido uma perna. Felizmente não foi tão grave…

Mas  durante estes dias houve mais peripécias..

No dia quem que chegaram o meu filho mais novo, a minha nora, a minha neta Marta e o Tomás, a sanita da casa de banho (com quase 70 anos) partiu-se. Valeu ter em casa dois arquitectos (pai e filho) para resolverem a situação. Mas foi uma correria. Primeiro para chegar à vila antes do fecho das lojas, a fim de poder comprar uma nova sanita e material para a instalação. Depois a instalação…

Por sorte, desde o verão passado a casa conta com duas casas de banho. Na altura em que a casa foi feita, uma casa de banho numa casa de aldeia já era um luxo. Duas, nem se sonhavam…

2 comentários:

  1. Que férias lindas, Regina. Pena o seu neto ter-se magoado mas felizmente que não foi grave.
    Gosto muito de ver os homens na cozinha. São muito cuidadosos. Tenho um irmão que cozinha bem e que deixa a cozinha impecável quando termina o seu trabalho. Eu já não sou assim e também não gosto muito de cozinhar.
    Quanto às sanitas ou qualquer outro problema, na minha casa seria um caso sério pois ninguém sabe fazer nada.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Eu sou muito homem na cozinha. Deixo-a quase como estava. Vou deitando tudo o que é lixo para o mesmo recipientee ponho na máquina todos os objectos de que não preciso. Depois é só vigiar a panela ou a frigideira ou o forno ( o que utilizo mais). No fim dou uma limpadela à banca e ao fogão e fica tudo impecável. Nunca gostei de trabalhar numa banca cheia de coisas....

    O meu ex- nunca cozinhou, mas o meu filho João faz muita coisa quando tem tempos. Adora fazer caril e fondue.....:))

    É ótimo passar as férias com os netos......

    ResponderEliminar