Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Ainda a greve dos professores


As minhas raízes alfandeguenses vibraram hoje com a mensagem que  que li aqui

Só um professor compareceu na escola

Apenas um dos 62 professores convocados compareceu no Agrupamento de Escolas de Alfândega da Fé (Bragança) esta manhã, inviabilizando a realização do exame de Português, adiantou ao Mensageiro de Bragança José Lopes, o diretor do agrupamento. “Também os educadores fizeram greve, pelo que não há nenhuma creche a funcionar”, disse.

Ao todo, foram afetados cerca de 30 alunos. “Como ainda não saíram as notas da avaliação contínua, todos os nossos alunos internos estavam propostos a exame”, explicou.


Força, professores...
O texto que segue, extraído daqui, não deixa dúvidas quanto à justeza da luta.

Para que serve a greve dos professores?

(...)Os professores têm de saber muito bem aquilo que ensinam, mas têm também de saber comunicar o que sabem. E precisam de saber motivar os alunos, nomeadamente aqueles para quem o próprio conhecimento não é motivação suficiente. Contudo, isso não basta. Os professores têm ainda de saber manter a disciplina de modo a que nas aulas exista um ambiente favorável à aprendizagem. Atualmente espera-se também que os professores saibam detetar os problemas pessoais e familiares dos alunos e sejam uma espécie de psicólogos e assistentes sociais. Assim, a um professor é exigido: conhecimento, clareza e rigor, autoridade, calma e ponderação, capacidade de reação, criatividade, iniciativa e dinamismo, imparcialidade, etc.

Mesmo que retirássemos da lista algumas expectativas exageradas e inadequadas, continuaria a ser muita coisa. Por isso, mas não só, os professores precisam de tempo para preparar as aulas, elaborar e corrigir testes e as muitas outras tarefas que têm a seu cargo. Precisam de tempo para ler e pensar. Precisam de tempo para aprender. E precisam de tempo para a vida pessoal e familiar: sim, para serem bons professores precisam de dedicar tempo à vida pessoal e familiar.

Contudo, o que se tem passado nos últimos anos vai no sentido contrário: mais horas de aulas, mais disciplinas ou níveis, mais turmas e mais alunos, mais horas de atividades não letivas, mais relatórios e outras burocracias que consomem cada vez mais tempo. Atualmente, a maior parte dos professores trabalha muito mais do que as 35 horas semanais que têm no horário e mais até que as 40 horas que o governo quer implementar. Enquanto muitos professores estão no desemprego, os outros trabalham demais e com cada vez menos condições para fazer um trabalho de qualidade.

Os professores trabalham mais mas recebem menos dinheiro, devido aos cortes salariais e de subsídios e ao facto de as progressões na carreira estarem congeladas há anos. Este último aspeto é particularmente absurdo, pois os professores continuam a fazer as ações de formação exigidas pela lei e a cumprir os trabalhosos e burocráticos procedimentos da avaliação do desempenho docente, mas depois isso não tem qualquer consequência nem no salário nem na progressão na carreira.

Não admira por isso que nas escolas cresça o desalento. Os professores, senão todos pelo menos a grande maioria, sentem-se pressionados, perseguidos e desrespeitados. Tentam não se sentir encurralados e não baixar os braços, mas isso é cada vez mais difícil.

Ora, as medidas que este governo pretende adotar vão piorar ainda mais essa situação. No próximo ano as direções de turma deixarão de fazer parte da componente letiva e por isso muitos professores darão mais uma hora de aulas do que davam. O ministro da Educação prometeu que o aumento da carga horária para 40 horas semanais não implicaria um aumento das horas letivas, mas existe o receio – infelizmente plausível, dados os antecedentes - de que a promessa não seja cumprida ou seja apenas cumprida formalmente e não na prática (por exemplo através da transferência dos 100 minutos de apoio para as horas não letivas, à semelhança do que vai acontecer com a direção de turma). Se a isso acrescentarmos a mobilidade especial e a possibilidade de ser obrigado a trabalhar muito longe de casa ou ir para o desemprego, ao desalento provocado pela falta de condições de trabalho juntam-se a insegurança e o medo.

Mas como é que professores que se sentem desalentados e com medo podem ser rigorosos e criativos nas aulas? Como é que conseguem ter autoridade diante dos alunos se são publicamente desrespeitados pelo governo? Um escravo pode ser obrigado a trabalhar se o trabalho implicar apenas força física, mas não se implicar inteligência e criatividade. Por isso, mesmo que, por hipótese, o governo tenha razão quanto à necessidade de austeridade, não tem razão relativamente ao modo como está a tratar os professores.

O dinheiro que o governo poupará com as medidas que quer adotar não compensará a despesa implicada pela diminuição da qualidade do ensino e com o insucesso escolar dela decorrente.

É por isso, e não por estarem a ser manipulados pelos sindicatos, que tantos professores fizeram greve às reuniões de avaliação e hoje não foram vigiar o exame de Português. E é também por isso que a greve não é contra mas sim a favor dos alunos.


Termino com um comentário publicado no Público on-line
Não sou aluna de 12.º ano, mas sim de 11.º, com exames nacionais a realizarem-se amanhã (dia 18, Biologia e Geologia) e sexta-feira (dia 21, Física e Química A). Contudo, penso que tenho o direito e o dever de me manifestar.
Tenho familiares professores e conheço bem a vida precária que têm tido nestes últimos tempos, quer com a antiga ministra da Educação (no Governo de Sócrates), quer com o actual ministro, Nuno Crato. E é completamente justificável, sobretudo por um lado, a greve aos Exames e às reuniões de Conselho de Turma, pois só uma greve nesta altura é que traria o impacto necessário… Os professores não são máquinas, são acima de tudo pessoas que merecem ser valorizadas e recompensadas pelo seu trabalho, pois nenhuma profissão seria conseguida sem ter por base um professor. Um médico para ser médico precisou de vários professores.
Se por um lado esta greve poderá trazer benefícios aos professores (e assim o espero), esta também é feita a pensar nos estudantes: como é possível uma turma funcionar com 30 alunos (ou mais)? Como é possível conseguir dar um bom acompanhamento aos alunos se há 30 dentro de uma sala? Já para não falar em aulas de turno, nomeadamente, em Física e Química, nas aulas laboratoriais. É muito difícil gerir um turno de 15 pessoas, cada grupo a desenvolver a sua actividade prática, ainda para mais se a turma for “complicada”… O Governo trata mal os funcionários públicos, segundo Marcelo Rebelo de Sousa, e eu concordo com ele. O Governo, teimoso e manhoso, devia ceder, neste cíclico e vicioso.
Esta greve, que em princípio não se prolongará, não irá afectar os meus exames… Mas afecta os alunos de 12.º ano, cuja média final depende da nota de exame a Português e, também, necessitam dessa prova para ingresso na universidade. E agora questiono-me: será justo uns alunos fazerem exame e outros não, na mesma escola??? Até que ponto esta medida será ética? O que irá garantir aos alunos uma prova com o mesmo grau de dificuldade? Não seria melhor paralisar tudo? Ou seja, todos os alunos fazerem a 2.ª fase do exame, contando como 1.ª fase? Onde está a igualdade de direitos e a igualdade de oportunidades? Isto só gera mais stress aos alunos e sentimento de frustração, o que não é bom nesta época fulcral!
Espero que esta greve tenha feito a mudança… É urgente! É urgente que se tome alguma medida, é urgente qualidade na Educação, é urgente que o País crie oportunidade de emprego aos licenciados – é triste ver pessoas a formarem-se para ajudar o país e, no final de contas, são obrigados a emigrar. Os licenciados portugueses, veja-se os enfermeiros, são altamente qualificados e formam uma carreira de sucesso, lá fora. Cá dentro, é vergonhoso o que ganham por dia… De Portugal, saem excelentes profissionais, é pena que o pais não aproveite o que é dele, por direito…
Fico decepcionada com este Governo, em que coloquei a minha confiança…

 

3 comentários:

  1. Ai, regina, já me riscaram de dois blogues por ter dito o que não devia... É incrível...pessoas que se dizem meus amigos!!

    Também escrevi sobre este assunto no meu blogue e agradecia que lá pusesses um comentário, pois sinto-me mesmo desanimada.

    Um beijo grande!

    ResponderEliminar
  2. O país está cheio de grandes "democratas"...Que tristeza
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Grande coragem e justiça na tomada de posição dos professores.
    E Alfândega da Fé é um exemplo.

    Um beijo.

    ResponderEliminar