Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

terça-feira, 28 de maio de 2013

Ironias do destino...


Na década de 90, não posso precisar já o ano, eu e mais  duas colegas fomos convidadas pela Porto Editora para constituir uma equipa de elaboração de um livro de problemas de Física e Química para o 10 º ano (não o conceito habitual de problema como exercício, mas um conceito de cariz construtivista). Estavam em perspetiva novos programas para o ensino Secundário que, no caso da Física e da Química, estavam a ser elaborados por uma equipa da qual faziam parte  Luís Silva e Jorge Valadares.

O nosso trabalho foi sendo construído na base do projeto de programa que estava em discussão.

Muito contestado, o programa acabou por “cair” e o nosso trabalho, de meses, foi por água abaixo sem que tivéssemos tido qualquer compensação a não ser o prazer que nos deu.

Durante esses meses tivemos vários contactos com a Dra Rosália Teixeira que sempre nos tratou de modo afável.

Entretanto eu trabalhava  já num projeto de divulgação da ciência para um público infantojuvenil, através de texto poético.

Apresentei-o à Dra Rosália que me encaminhou para a Dra. Maria João Aires Pereira,
ao tempo colaboradora da editora.
A recetividade não poderia ter sido melhor. De entre os vários projetos começámos por selecionar um que seria o inicial e o meu filho mais novo fez as respetivas ilustrações. Só que o projeto nunca mais avançava. Agora porque era altura de editar os manuais escolares, depois por isto, depois por aquilo. E assim passaram, pasme-se, dois anos, findos os quais recebi uma carta da editora dizendo que não estava vocacionada para o tipo de projeto que eu propunha.

Tentei contactar a Dra. Maria João Aires Pereira e a Dra Rosália. Relativamente à primeira fui informada de que já não trabalhava na editora e quanto à Dra Rosália  tentei duas vezes, mas estava indisponível.

Fiquei muito chocada com este procedimento mas como não sou pessoa de cruzar os braços fui apresentar o projeto à Campo das Letras. Mostraram-se um pouco reticentes dado que se tratava de um livro de uma autora totalmente desconhecida. Mas arriscaram e fiquei-lhes sempre grata por isso. Em maio de 2006 foi publicado, pela Campo das Letras, o meu primeiro livro para público infantojuvenil Era uma vez...ciência e poesia no reino da fantasia.

Passado algum tempo telefonaram-me a comunicar que o livro tinha sido incluído no PNL. Eu nem queria acreditar...Em  2008 foi publicada uma 2ª edição mas, infelizmente, a Campo das Letras viria a entrar num processo de insolvência.

Arranjei uma nova editora, Gatafunho, com a qual editei Ciência para meninos em poemas pequeninos (1ª edição 2009, 2ª edição 2010)  e Pelo sistema solar vamos todos viajar(2010). O primeiro foi também incluído no PNL e foi alvo de uma recensão pelo IEC, U.Minho  

O 2º consta de uma lista de livros aconselhados pelo Centro de Ciência Júnior , lista que contém os “12 melhores livros de divulgação científica para público infantojuvenil” como pode ler-se aqui e aqui.

A minha relação com a editora era (aparentemente) ótima. Sabendo que passava por alguma dificuldades criei-lhe, graciosamente,  um blog que ainda hoje mantém.

Mas, ironia do destino,  também esta editora não se portou como “pessoa de bem” .Por incrível que pareça, continua sem me pagar direitos de autor. Mas pior que isso, foi ter faltado a um compromisso que assumira. No âmbito das celebrações do Ano Internacional da Química foi-me pedido um texto para uma peça de teatro. Escrevi Breve História da Química cuja edição foi patrocinada pela Sociedade Portuguesa de Química(SPQ). A primeira apresentação da peça teve lugar no Rivoli, em 20 de junho de 2011, sob o título O Grande musical da Química. Da minha parte havia para com a SPQ o compromisso de que na data da estreia o livro estaria nas bancas, compromisso esse que assumi dado que a Gatafunho me garantiu até à última hora que o livro estaria pronto para esse dia. Nem para esse, nem  para qualquer outro. E na sequência desta atitude deixou de atender o telefone e de me responder a qualquer outra forma de contacto.

Tive que mudar de editora. A Breve História da Química foi editada pela 7dias6noites e saiu em Julho de 2011, cerca de um mês depois do espetáculo no Rivoli.

Também este livro foi alvo das mesmas apreciações que Pelo sistema solar vamos todos viajar.

A história já vai longa, mas ainda há mais ironias do destino ....

Regresso  a Era uma vez...ciência e poesia no reino da fantasia.
Dado o processo de insolvência da Campo das letras, a Gatafunho tinha-me abordado no sentido de reeditar o livro. Em face do que acima referi,  tal não sucedeu. 
A editora 7dias6noites dispôs-se a editá-lo o acaba de sair.




Os textos deste livro bem como os de Ciência para meninos em poemas pequeninos pertenciam todos ao conjunto de textos que a Porto Editora assumira editar, no início dos anos 2000...

Há dias uma amiga ligou-me dizendo que o livro de Língua Portuguesa da neta, que frequenta o 3º ano de escolaridade, continha dois poemas de  Ciência para meninos em poemas pequeninos.

Fiquei curiosa e qual não é o meu espanto ao ver que os poemas, Diversidade e Marconstam respectivamente   nas página 58 e 152 do livro Alfa, edição da Porto Editora,  que tão pouco respeito mostrou pelo meu trabalho. .
Mais uma ironia do destino...


Diversidade

Era uma escola muito colorida tão cheia de vida como nunca vi.

Aqui e ali meninos negrinhos que vieram de Angola

jogavam à bola com outros meninos também africanos, outros indianos,

outros europeus da Europa de Leste, do  Norte e do Sul, 

olhos de cor verde, castanha e azul.

Os cabelos eram dos mais variados: encaracolados,  claros e  escuros,  lisos,  esticados como aquele indiozinho tupi - guarani  e um coreano de seu nome Li,

que tinha uns olhinhos bem enviesados.

Havia um menino que era  timorense, outro guineense e imaginem só, 

até  existia um menino esquimó.

Um grupo  bailava e um outro cantava a uma voz só

um vira[1], um  tebe, um semba, uma morna, uma marrabenta e até um forró.

Era aquela  escola, como um arco-íris,  de múltiplas de cores.

Lembrava  um canteiro repleto de flores.

Mar

Já brincaste com a areia

e com as conchinhas do mar?

Já viste as ondas a ir,

para logo a seguir voltar?

Encosta um búzio ao ouvido

e fica atento a escutar.

Parece que se ouve o mar

a contar os seus segredos.

Diz que se sente doente,

que está muito poluído.

Hoje é um petroleiro,

amanhã é um cargueiro

que deita lixo para o mar.

E também há muita gente

que deita na praia lixo,

uma garrafa, uma lata,

uma pistola de esguicho,

uma embalagem qualquer.

Ora isso não pode ser

pois a poluição mata algas e peixinhos.

Mata até os passarinhos

que na areia vão pousar

ou água vão debicar

nas pocinhas

dos rochedos.


Fiquei satisfeita por ver os poemas  incluídos no livro mas confesso que preferia vê-los num livro de qualquer outra editora.




[1] ritmos tradicionais respectivamente de  Portugal, Timor,  Angola, Cabo Verde,  Moçambique,   Brasil



4 comentários:

  1. Ironias do destino, Regina?!!!
    Seja qual for a razão, estou aqui para a felicitar por mais um seu maravilhoso poema que devia ser ensinado a todos os meninos em nome da PAZ e da IGUALDADE.

    Um grande abraço, Regina.

    ResponderEliminar
  2. Guardado está o bocado ...

    Publica-se tanta chachada hoje em dia, é confrangedor ver os tops da semana na Livraria Leitura e outras e não se dá valor a obras como as tuas. Não gosto de bajular ninguém, mas adoro os teus poemas para pequeninos e para graudinhos!

    És muito persistente e ainda bem que foste recompensada.
    Quanto às editoras, fazem o que querem, infelizmente.

    Bjinho

    ResponderEliminar
  3. Obrigada às duas e um grande beijinho
    Regina

    ResponderEliminar
  4. INFELIZMENTE A PORTO EDITORA FALHA NOS SEUS COMPROMISSOS, MAS FICO FELIZ PELA REGINA TER CONSEGUIDO QUE O SEU TRABALHO FOSSE PARA A FRENTE, E NÃO TIVESSE DESISTIDO.MUITOS PARABÉNS

    ResponderEliminar