Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Elegia


Num dos meus projetos a aguardar publicação, um dos poemas é o que segue. Lembrei-me dele a propósito de um vídeo que, tendo como fundo musical a suite nº 1 da obra  Peer Gynt de Grieg, nos propõe uma reflexão sobre a nossa relação com o planeta.

Elegia


Como cantar-te terra?

Uma ode?

Um hino de alegria?

Um poema de amor?

Talvez seja melhor compor uma elegia

que possa ressoar em sintonia

com esse teu grito de tristeza e dor.

4 comentários:

  1. Que lindo, Regina. Mas é importante que essa elegia nos motive, principalmente aos mais novos,para transformar a dor num hino de esperança por uma Humanidade feliz.

    Um beijo muito amigo.

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente vivemos num mundo onde o ter se tem sobreposto ao ser. Pode ser que esta crise nos obrigue a repensar a nossa forma de estar na vida...
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Lindíssimo este poema, quanto simples a sua estrutura....

    Faz-nos pensar na morte....tema em que tenho pensado muito ultimamente, depois de ter acabado de ler o livro: A Manhã do Mundo, que foca o 11/9 e as pessoas que viram a cara da morte e tiveram de escolher entre saltar pelas janelas ou ficar à espera doutro tipo de morte. Interessante, mas arrepiante ao mesmo tempo.

    Bjo

    ResponderEliminar
  4. Obrigada às duas
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar