Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

domingo, 30 de dezembro de 2012

Feliz 2013



Após várias tentativas, Mafalda e os amigos chegaram a um  acordo para  uma mensagem de Ano Novo

 Faço meus os votos da Mafalda....


sábado, 29 de dezembro de 2012

Ano Novo, exposições novas...

 
No próximo sábado, dia 5 de janeiro, pelas 16 h 30 min será inaugurada uma exposição com trabalhos meus e de uma colega da escola  de pintura UTOPIA. A exposição, que estará aberta ao público até ao próximo dia 26, poderá ser visitada de terça a quinta até ás 18h e 30min, ao sábado até às 16h e 30min e à sexta até às 24 h.
Agradecemos desde já a vossa presença.
 

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O método




 Vale a pena refletir sobre o texto que segue, da autoria de Pacheco Pereira 

O MÉTODO: NO DIA ANTERIOR 

"Quando o dinheiro da família acaba não se pode ir ao casino porque não tem dinheiro para jogar." (Passos Coelho)

É sempre o mesmo. Num dia assiste-se á divulgação de um relatório qualquer, com algumas estatísticas selectivas, cuidadosamente sublinhadas, em muitos casos de organizações com uma agenda ideológica e politica, e noutros casos manipuladas de forma grosseira, quando não falsas. O conteúdo é invariavelmente o mesmo: Portugal é um país de privilegiados, os funcionários públicos são os que tem mais regalias na Europa, os operários os mais bem pagos, os dias de férias mais numerosos, os subsídios abundam, um estado social falido despeja a sua cornucópia de abundância sobre gente que não quer trabalhar e espera tudo do paternalismo estatal. É o casino. 

Depois do resumo distribuído pela LUSA, ou passado ao Correio da Manhã, de tais alarmantes números e constatações, os blogues ligados ao poder, muitos escritos por assalariados directos do governo, explodem de indignação. Imaginem lá até as mamas implantadas recebem subsídios! O mundo estaria a acabar se não fosse a determinação de Passos Coelho, Gaspar, Borges e Relvas (este é citado mais prudentemente…) em corrigir os desmandos do “regabofe” que, de Cavaco a Sócrates, mais os vícios de dependência dos portugueses, levou o país á bancarrota. 
Depois, a comunicação social divulga sem verificação, sem contraditório e sem ouvir quem sabe sobre essas matérias ou porque as estudou, ou as ensinou toda a vida, ou escreveu livros, essa forma anti-mediática de expressão que dá muito trabalho a ler em vez de uma rápida procura no Google. Muitas vezes, em debates fora do prime time, quem verdadeiramente sabe sobe pelas paredes acima para tentar repor a verdade, mas não vale a pena. O sistema foi feito para a mentira conveniente e uma série de profissionais dessa mentira, em nome do marketing e da assessoria de comunicação, estão aconchegados nos gabinetes ministeriais, para fazer essa sale besogne de nos enganar. 

O MÉTODO: NO DIA SEGUINTE 

Depois, no dia seguinte, uma declaração ministerial, ou uma fuga de informações, anuncia a intenção do governo de proceder a uma nova vaga de austeridade moral, para combater os privilégios e repor a justiça social, que a neutra e preocupante estatística do dia anterior exigia. Não faltam exemplos, entre os quais os mais recentes se centram nos “estudos” que o primeiro-ministro disse ter sobre como é que o “estado social” beneficia em primeiro lugar os que menos precisam, e sobre o severo número de dias de subsídio de desemprego pagos na Europa, por comparação com os excessos sumptuários dos portugueses, o que é pura e simplesmente falso.

 Já disse e repito outra vez: as armas da retórica do poder assentam nas velhas técnicas da omissão da verdade e da sugestão de falsidade, a que se soma a velhíssima mentira. É por tudo isto, e pela facilidade de circulação de tudo isto (como já se passava com as estatísticas optimistas de Sócrates) que o espaço público é um lugar muito mal frequentado em Portugal.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Presentes de Natal...




Em vésperas de Natal deixo aos meus amigos uns presentes simbólicos
O 1º é um conjunto de ilustrações da cartunista polaca Pawla Kuczynskiego. Algumas das suas ilustrações são muito fortes e fazem-nos refletir sobre o que está a acontecer ao nosso redor. Pawla Kuczynskiego nasceu em 1976 em Szczecin e formou-se na Academia de Belas Artes de Poznan, com especialização em gráficos. Desde 2004 produz ilustrações satíricas e até agora recebeu 92 prémios e distinções.







O 2º tem a ver com o anunciado fim do mundo para o passado dia 21… 

No 3º podem ver o natal contado ao ao jeito do nordeste brasileiro.

O último é uma divertida  mensagem de Natal.
  


Um Bom Natal para todos

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Boas Festas

Acabo de chegar de Trás-os-Montes com muitas coisas interessantes para contar quando dispuser de algum tempo...Como não sei quando isso irá acontecer, deixo desde já   votos de Boas Festas


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Tuaescrita

No próximo dia 15 de Dezembro irá decorrer, em Mirandela, um encontro que se pretende seja o primeiro de um conjunto de encontros  a ocorrer periodicamente, designados por Tuaescrita. Aqui deixo o programa desse I Encontro.




sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

O ataque à escola pública

Quando fiz os meus estudos, a qualidade da escola pública era muitíssimo superior à das escolas  privadas, salvo algumas, muito raras, exceções. Universidades, só públicas, e de qualidade.
E foi assim ainda durante muitos anos.
Mais recentemente, particularmente nos últimos 10 anos,  houve um verdadeiro ataque à escola pública.
O vídeo anexo chocou-me profundamente, embora num país onde grassa a corrupção, já nada me espante.

E na sequência do que atrás foi referido vejam também  a mensagem Corrupção,abuso de poder e relações sigilosas: Nossos maiores inimigos!


quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

A vida é um sopro...



"A vida é um sopro, um minuto. A gente nasce, morre. O ser humano é um ser completamente abandonado..."

Oscar Niemeyer, em entrevista à BBC Brasil, em 2001

Morreu Oscar Niemeyer, o último grande arquitecto do século XX .
O seu corpo será velado no Palácio do Planalto, em Brasília, um edifício projectado por ele. Aos 104 anos, a poucos dias de completar os 105, Niemeyer morreu às 21h55 de quarta-feira, no Rio de Janeiro, Brasil.

Em 1996 visitei Brasília. Respira-se Niemeyer em todos os cantos. Deixo imagens de duas obras, o Palácio do Planalto e a Catedral 





O vídeo anexo dá também uma pálida imagem da importância da sua obra 

Não se perdeu apenas um dos maiores vultos da arquitectura, perdeu-se também um grande Homem

A vida não é justa. E o que justifica esse nosso curto passeio é a solidariedade”
Sobre a ajuda aos pobres, em entrevista em 2007


"Meu avô, que foi ministro do Supremo Tribunal, morreu sem um tostão. Achei bonito ele morrer assim. Já disse que teria vergonha de ser um homem rico. Considero o dinheiro uma coisa sórdida"

"Sou pessimista diante da idéia de que o homem, quando nasce, já começa a morrer, como notou Jean Paul Sartre. Mas, na vida, caminhamos rindo e chorando o tempo todo: é preciso, então, aproveitar o lado bom da vida, usufruir o melhor possível e aceitar os outros como eles são. Sempre digo: o importante é o homem sentir como é insignificante, é o homem olhar para o céu e ver como somos pequeninos. Ultimamente, no entanto, tenho me espantado como a inteligência do homem é fantástica! Tenho conversado sobre astronomia. Como é imprevisível o que ele pode criar!"
Em 2007, em entrevista à TV Globo

"Não é o ângulo reto que me atrai. Nem a linha reta, dura, inflexível criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual. A curva que encontro nas montanhas do meu país. No curso sinuoso dos sentidos, nas nuvens do céu. No corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo"
Sobre o Copan, prédio construído em 1951 no centro de São Paulo

 Podemos encontrar mais frases suas aqui  

 Termino com um texto belíssimo de Chico Buarque, A casa de Óscar, que já aqui deixei em tempos





domingo, 2 de dezembro de 2012

O cemitério de Sapanta, na Transilvânia



 O cemitério de Sapanta, na Transilvânia é um dos cemitérios mais visitados do mundo.

Sapanta, uma remota aldeia na Transilvânia, ficou famosa pelo seu cemitério. O que torna este local tão diferente dos demais de sua natureza Não é um local triste, com flores mortas, ar obscuro e lápides cinza.



  O cemitério de Sapanta ganhou destaque por ser um local colorido e feliz. A felicidade atribuída ao lugar é percebida pelas cores fortes que compõem as pinturas que representam os falecidos.
  O povo local tem por costume relatar a vida do parente que morreu através de imagens coloridas e poesias. O costume teve inicio com Ioan Stan Patras em 1935. De acordo com Christine Popp do New York Times, todos os membros da comunidade são mantidos vivos por meio das pinturas e dos epitáfios.

Ver mais imagens aqui