Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sábado, 6 de outubro de 2012

Houve festa na Química



Na passada  sexta-feira, a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto recebeu a última lição de duas figuras marcantes da história da U.Porto: Adélio Machado e Alberto Amaral. Os dois professores jubilaram-se perante uma plateia cheia de nomes ligados ao ensino superior como o ex-Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, o administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, Eduardo Marçal Grilo, e o diretor do Centro de Investigação de Políticas de Ensino Superior, Pedro Teixeira.
De manhã, Salvador Alegret e Sanromà, da Universidade Autónoma de Barcelona, e Manuel Nunes da Ponte, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, falaram sobre o papel da Química no Mundo. Às 12 horas, Adélio Machado proferiu a sua última lição, intitulada “Desenvolvimento? Sempre Insustentável

Fui aluna do Professor Adélio Machado com quem trabalhei posteriormente na orientação dos estágios do ramo educacional. Por isso, foi com muita pena que não estive presente na cerimónia. Costumava receber notícias da UP on-line mas já há algum tempo deixei de as receber.

Posteriormente enviei as minhas felicitações ao Professor, que muito amavelmente me mandou  o texto da sua aula.

Interessantíssima vem na linha da "Química Verde", área relativamente à qual existem várias publicações de Adélio  Machado como, por exemplo, O Quadro de classificação periódica da sustentabilidade.Uma metáfora para a química verde e ecologia industrial


Outros artigos podem ser lidos aqui




Ás 15h45, foi a vez de  Alberto Amaral (ex- reitor da UP e atual presidente da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3S) com a lição  intitulada “Uma lição breve”. Antes, como convidados, Maria João Ramos e José Ferreira Gomes apresentaram  Alberto Amaral na Química” e “Alberto Amaral na U.Porto“, respetivamente.
Às 18h30Alberto Amaral – um cientista entre a Academia e a Ágora”, uma obra da U.Porto editorial, foi apresentada por Mariano Gago e António Magalhães, investigador no Centro de Investigação de Políticas do Ensino Superior. Após o lançamento do livro, o reitor da Universidade do Porto, José Marques dos Santos, entregou  ao antigo reitor a Medalha de Mérito da U.Porto.

Aqui ficam  breves excertos da intervenção de Alberto Amaral

“Sinto-me envergonhado pela herança que a minha geração deixa à futura. Normalmente, uma geração vive melhor do que a anterior, tal como a minha foi melhor do que dos meus pais e a deles do que a dos meus avós, etc., mas agora a tendência está a inverter-se e os meus descendentes vão ter claramente mais dificuldades, piores salários, falta de emprego e más condições sociais”.
E “hoje, os académicos são uns verdadeiros cornudos das suas instituições”, continuou o também ex-reitor da UPorto, acrescentando que se tornaram em “simples funcionários que perderam prestígio”.



E porque a Química faz parte do Teatro da Vida termino com a  obra homónima de Vieira da Silva, a quem dediquei a última mensagem




3 comentários:

  1. Fui professora de um filho de Alberto Amaral, um aluno curioso e diferente de todos os outros. Nunca me esqueço dum dia em que se apresentou a um teste com uma pluma e tinteiro, à antiga, e pediu-me se podia escrever com aquele objecto obsoleto.

    Admiro muito os catedráticos e reitores de universidades, mas não concordo inteiramente com eles, quando dizem que os novos são cornudos ( expressão muito feia) das instituições. É verdade que são explorados, mas sempre o foram ( lembro-me de meu Pai com 8 filhos a ganhar uma miséria). Foram sempre uns carolas, uns investigadores sem recompensa, mas com certeza orgulhosos de trabalharem para as academias. Falo pelo meu filho e amigos que conheço bem.
    Quando se ama a Ciência é difícil virar-lhe as costas...

    Por falar tenho uma notícia para te dar:

    Vai como está no Facebook do João:

    Our startup Streambolico reached the final of Prémio BES Inovacao, probably the most reputed national innovation prize. Improving WiFi.

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. Achei muito interessante o artigo que inclui no QCP os três elementos(energia, economia, ambiente)indispensáveis a um desenvolvimento sustentável da Indústria Química. São tão importantes que, por eles, se fazem guerras.

    Um beijo, Regina.

    ResponderEliminar
  3. Antes de mais um abraço de parabéns ao João por mais este reconhecimento. O abraço é extensivo à mãe, obviamente...
    Também achei muito interessante o artigo sobre o QCP mas na lista que referi há outros também muito interessantes.
    Ab para as duas

    ResponderEliminar