Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

No “meu Nordeste”




Encontro-me na aldeia, no “meu Nordeste”desde o dia 27 de Julho. Como já se tornou um hábito, viemos os avós, os dois netos mais velhos e o gato….

Com a abertura do IC5 a viagem tornou-se muito mais fácil. Agora, do Porto à aldeia são apenas 2h, de boa estrada, pelo que as crianças já não enjoam.

Só o gato “protesta” todo o tempo. Vem dentro da “gaiola” e mia desesperadamente…

As crianças estavam ansiosas por chegar. Sabiam que haviam sido feitas algumas obras : mais uma casa de banho, melhoramentos num espaço que tínhamos começado a recuperar no Verão anterior, a pintura exterior de toda a casa que já estava muito degradada, etc. Chegámos e foi um subir e descer escadas em busca das novidades…

Aqueci o almoço que já vinha preparado e fomos almoçar. Depois de arrumar a cozinha fomos fazer as camas. Decidiram dormir no mesmo quarto e escolheram o maior, sabendo que uma semana mais tarde, quando chegassem pais e irmãos teriam que mudar de aposentos.

Entretanto o avô foi tratar da piscina para ficar operacional ainda nesse dia. Antes de jantar ainda houve tempo para um banhito…

No dia seguinte chegaram os amiguinhos com quem costumam brincar na aldeia. São filhos de um afilhado meu, vivem em Bragança mas a avó, que chegou a trabalhar em casa dos meus pais, vive na aldeia. Todos os anos se juntam e, com a minha ajuda, preparam uma peça de teatro que apresentam quando chegam todos os pais, cerca de uma semana mais tarde. Na peça os mais pequenos, acabados de chegar também têm um papel previsto…

A peça, O castelo assombrado, já havia sido combinada entre eles via telefone e e-mail. Os textos, que fui escrevendo conforme sugestão dos meus netos, já vinha escrito do Porto. Também os trajes foram repescados, à socapa para os pais não suspeitarem, de entre trajes de Carnaval dos meus netos.



Aqui ficam alguns elementos…

O CASTELO ASSOMBRADO –

PEÇA DE TEATRO

Rua das Eiras, 22, Parada
Em Agosto, e como já vem sendo hábito, o teatro “sobe ao palco” na freguesia de Parada-Alfândega da Fé. Mais uma iniciativa dos “jovens” Gouveias e Paradas.

Não falte no dia 3 pelas 22 h




Personagens

Bruxa- Marta Parada

Bruxo – Miguel Parada

Bruxinha – Marta Gouveia

Morto-Vivo- Rita Gouveia

Vampiro- José Gouveia

Vampirinho – Bernardo Gouveia
Narrador –Regina Gouveia

Ideia original –Paradas
Textos e figurinos- Gouveias
Cenários – Paradas e Gouveias



Músicas de fundo – O Amor bruxo. Manuel de Falla
Terror. Michael Jackson


Narrador

Há muitos, muitos anos, numa aldeia chamada Parada, existia um castelo assombrado onde habitavam uns seres repugnantes.

Quando a Lua cheia começava a dar lugar ao quarto minguante, os referidos seres reuniam-se em grandes orgias


Voz assustadora

Embora poucas pessoas o saibam, ainda hoje acontecem essas orgias, não no castelo que já não existe mas em locais que recriamos para o efeito.

Precisamente hoje, quando a Lua cheia começa a dar lugar ao quarto minguante, é dia de reunião….



Entram no palco, “decorado” com teias de aranha e adereços afins, vários seres macabros; No meio do palco são colocados uns bancos e uma mesa sobre a qual se dispõe uma toalha esfarrapada. Num tabuleiro carcomido, um bule, chávenas decorados com caveiras. Na mesa vão ainda ser colocadas uma maçã vermelha sobre um pano sujo, uns pratos com ossos, um frasco com um líquido vermelho imitando sangue , e uns frascos com reagentes para fazer uma poção mágica nº1.



Sentam-se os mais velhos e os mais pequenos andam a circular.


Vampiro

Que saudades eu tinha já destas macabras reuniões.


Os demais, em coro

E nós também.



Morto Vivo

Agora reparo, bruxa, os teus filhos estão cada vez mais horrendos.



Bruxa

Obrigada amigo. Fui bafejada pela sorte. Não queiras saber a inveja que têm de mi, outras bruxas, com filhos menos horríveis…



Bruxo

Deixem-se de conversas. Vamos mas é comer que a comida está com um aspecto de fazer crescer água na boca.


Os demais, em coro

Boa ideia. Vamos a isso.


(começam a “comer” com uns gestos grotescos, gomas com forma de vermes, dedos, ossos, olhos, etc)


Vampiro

Do que eu mais gosto nestas reuniões é das conversas que se seguem à refeição. Falemos das nossas façanhas


Morto vivo

Estou a olhar para esta maçã encarnada, com tão bom aspecto, a destoar aqui nesta mesa. Deita isso fora, bruxa…


Bruxa

Guardo-a como recordação. Foi com uma maçã igual a esta que envenenei a Branca de Neve.


Morto Vivo

Ah, está tudo explicado. Mas as minhas recordações são mais macabras. Aqui tenho ossos de uns humanos que comi (mostra um prato com ossos)…E que saborosos eram, especialmente as vísceras……


Vampiro

Eu interesso-me mais pela bebida. Neste frasco tenho sangue humano que recolhi hoje. Só sobrou este mas já bebi 5 litros…


Bruxa

Estás tão calado bruxo. Não queres falar das tuas poções mágicas?


Bruxo

Estava mesmo a pensar nisso. Trouxe os ingredientes para fazer aquela poção com que transformei um príncipe em sapo… Vou fazê-la e depois verei em quem a vou aplicar.


O bruxo mistura vários ingredientes e prepara a poção mágica que fica com um tom azul forte.


Morto vivo

Que tal aplicar a poção nos nossos políticos?



Os demais, em coro

Que ideia genial. Não percamos mais tempo Vamos a isso.



Bruxo

Mas antes de terminar a reunião façamos uma sessão com um dos nossos "rap" e posteriormente com uma das nossas danças macabras




Segue-se o rap em que todos participam



O nosso bruxedo anda enguiçado.

Nem o gato é preto, é acastanhado

Só os mais pequenos é que estão mais ou menos.

O vampiro já está desdentado, o morto vivo anda constipado,

a bruxa está velha e anda de lado e o bruxo tem estado acamado.

E para maior desgraça, este grupo de monstros ficou educado.

Até se despede dizendo Obrigado…



Termina a 1ª parte do espectáculo



N 2ª parte, o grupo entra novamente no palco com os mesmos trajes e vai dançar ao som de uma música de terror de Michael Jackson.
A coreografia foi inteiramente concebida pela minha neta que é uma belíssima aluna de ballet. Começou já há alguns anos na Parnaso, que entretanto fechou, mas a professora montou uma escola que tem já uma grande frequência.



De tudo o que referi tenho algumas fotos mas só poderei inseri-las no blogue quando regressar ao Porto


3 comentários:

  1. Ainda bem que não tenho de "trabalhar" nas férias!!!

    Estou a brincar, sei que adoras fazer essas festinhas com os teus netos.
    Os meus tb as fazem no Natal, nas férias vão sempre com os pais para onde quer que seja. Já estão há mais dum mês nos EU, já passearam de barco nas cataratas do Niagara e ja trbalharam imenso nos diversos camps onde vão todos os dias. Já só falam inglês!!!

    Umas óptimas férias nessa bela região. Eu....vou hoje para o suuuul! Tu sabes para onde!

    Beijarei as buganvílias por ti.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Muito bem Regina!!!
    Na sua peçazinha de teatro até põe os monstros a ficarem mais educados.
    Gostei.
    Um beijo e continuação de ótimas férias.

    ResponderEliminar
  3. Um grande beijinho às duas...
    Regina

    ResponderEliminar