Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Da "crise"ao bosão de Higgs


No último número da revista As Artes entre as Letras, no seu artigo de abertura,
Nassalete Miranda faz uma reflexão muito interessante sobre “a nossa  crise”.

Como podem ver ali são referidas as habilitações  de  “doutores” e “engenheiros” conseguidas  em cursos intensivos de fins de semana e equivalências.

A este propósito sugiro também um texto de Deana Barroqueiro


Regressemos  ao texto de Nassalete Miranda e à reflexão final … 

De resto, esperança!. A “partícula de Deus”, bosão de Higgs, ou vice-versa , já está aí para criar mentes brilhantes que vejam o óbvio…


E a propósito do bosão de Higgs …

Estive 10 dias na aldeia por causa de umas obras de conservação na casa que ali tenho, herança dos meus pais.

Ainda comecei a elaborar  um texto sobre os últimos avanços no que se refere à descoberta do bosão de Higgs mas não consegui arranjar tempo para o concluir. Seguem agora, embora com atraso, algumas referências, nomeadamente dois vídeos, com abordagens muito simples mas interessantes



E finalmente, porque ciência e poesia podem (devem?) andar de mão dadas, sugiro
este vídeo

Termino com um poema meu que, creio, já aqui deixei em outra mensagem.

Bosão de Higgs

Existirá desde o primeiro momento
ainda sem espaço, ainda sem tempo,
sem quando, nem onde,
em que o tudo era simplesmente o nada?
Afinal, a massa de onde é que provém?
É este, em essência, o segredo que, cioso, esconde,
mau grado o empenho de toda a ciência.
Cioso, acanhado,
quiçá temeroso de um qualquer depois,
ainda mais terrível do que eme cê dois
na bomba de Hiroshima
O bosão de Higgs existirá ou não?
Eis a questão.

3 comentários:

  1. benvinda!

    Já estava preocupada, pesando que se devia a doença a tua ausência....mas ainda bem que foram as obras na tua casa da aldeia. Ainda não li a entrada toda, mas quis escrever da minha alegria em te ter de novo!

    ResponderEliminar
  2. Que bom Regina voltar a encontrá-la neste post que tem tanto de poesia, como de ciência, como de crítica.
    O video é lindo.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Obrigada às duas.
    Felizmente a minha ausência não foi devida a nenhum problema de saúde mas a uma total falta de tempo pois a empreitada foi entregue a uma pequena empresa do Porto que já fez a nossa casa, a dos filhos e umas obras anteriores na aldeia. Foram três homens que ficaram instalados lá em casa durante uma semana. Mas é a única maneira de conseguir fazer obras ali...Já tentámos com pessoal de lá e não resultou... Se tiver tempo talvez escreva uma mensagem sobre isto. Mas para a semana já vou de férias e levo os dois netos mais velhos. Depois vai o resto da família por uns dias...Não sei bem quando conseguirei assentar para voltar a escrever com certa regularidade
    Um ab
    Regina

    ResponderEliminar