Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sábado, 28 de abril de 2012

Abraço



Já várias vezes me referi ao gosto pela leitura que me foi incutido na infância pelos meus progenitores, muito em especial o pai. A melhor prenda que lhe poderiam oferecer era um livro e comigo passa-se o mesmo. 

Sobre os livros, diz de José Luís Peixoto na sua última obra, Abraço:



O primeiro livro que li deste  autor foi Morreste-me, um belíssimo livro de poesia apesar de escrito em prosa. Tal foi o impacto que teve em mim, que qualquer um dos que se lhe seguiram me marcou  muito menos. 

Abraço é um conjunto de textos publicado de 2001 a 2011, essencialmente no Jornal de Letras e na Visão.
Alguns  falam através de imagens muito poéticas. Mas também o  humor, à mistura com  uma ironia fina, estão presentes.
Em suma, é  um livro que se lê com muito agrado.

Consciente de que entre o escritor José Luís Peixoto e a escritora (amadora) Regina Gouveia há uma enorme distância, não pude deixar de sorrir perante algumas coincidências “de percurso”.

 Ao que parece, ambos  temos um  heterónimo que desconhecemos,  José Luís Pacheco e Regina Duarte respectivamente. No caso de José Luís Peixoto, várias vezes o seu nome tem sido trocado (pag  413,415 e 417). 




No meu caso a troca com Regina Duarte também acontece com uma certa frequência.
Quando no início dos programas FOCO era formadora no departamento de Química da FCUP, num painel em que constavam os nossos contactos,  lá estava o meu associado a Regina Duarte.
No meu livro Magnetismo Terrestre, se na capa foi usado o meu nome, já o mesmo não aconteceu na ficha técnica..




E tal como José Luís Peixoto (pag 419), já tenho ouvido o “comentário“ uma escritora sem caneta….”


Também como JLP considero que em nenhum lugar as horas são tão lentas como no aeroporto de Frankfurt (pag 438)

Das 655 páginas do livro ainda tenho 160 para ler. Não sei se encontrarei outras coincidências.

Mas longe de mim querer com isto comparar-me ao autor.  Sei que há léguas a nos separar (como diria Chico Buarque). 
Daí que eu saiba quem é JLP e, com 99,999% de certeza, JLP não imagina sequer que eu existo.

Isso não impede que eu termine assim:
Gosto muito da sua escrita, José Luís Pacheco.
Um abraço
Regina Duarte

Ou, agora falando sério (de novo Chico Buarque):

Gosto muito da sua escrita, José Luís Peixoto
Um abraço
Regina Gouveia



5 comentários:

  1. Descobrimos coisas incríveis ....
    No facebook há uma pessoa com o mesmo nome que eu exactamente , que andou no meu liceu e que é fotógrafa amadora também. Cada vez que ela me cometa e aparece o nome dela - que é o meu - fico perplexa. Ela é loira, eu não, felizmente, distinguimo-nos pela fotografia. Mas não gosto nada de confusões. E , se dantes não gostava do meu nome, que era o da minha Mãe e Avó, agora sinto muito orgulho nele por ser diferente!!

    Vou ler esse livro que aconselhas....nem sempre sei o que escolher porque tenho dezenas de livros da minha filha cá em casa, em português e em inglês, que ainda não li. Também gosto imenso dum bom livro, a minha Mãe deixou uma colecção enorme que infelizmente se desfez. As casas é que são pequenas para tanto livro!
    Bom Domingo no nordeste...deve estar maravilhoso, com cores incríveis....

    ResponderEliminar
  2. As letras que se tem de escrever depois da mensagem é que são muito complicadas!! Será mesmo preciso ter isso?? Toda a gente sabe que não sou um robot:))

    No meu blogue é só escrever....

    ResponderEliminar
  3. No teu blogue também tenho que escrever essas letras por vezes difíceis de decifrar...
    Não sei qual a utilidade, mas vivemos num mundo em que muito complica e pouco de descomplica
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar
  4. Olá Regina
    A troca de nomes é muito frequente e resulta muito do cansaço.
    Mas autores como Regina Gouveia ou José Luís Peixoto são inconfundíveis e depressa damos pelo engano.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada Graciete. No que respeita a JLP estou de acordo.
    Um grande beijinho
    Regina

    ResponderEliminar