Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

segunda-feira, 11 de abril de 2011

A política e a ética

Eurodeputados recusam viajar em económica
A notícia não é de hoje mas só hoje pude comentá-la

Proposta de Miguel Portas só teve os votos a favor dos eurodeputados do Bloco, da CDU e de quatro socialistas.
A emenda 3 ao "relatório Fernandes" - que defendia a alteração dos critérios de viagem de modo a que as deslocações aéreas inferiores a quatro horas fossem feitas em classe económica - acabou rejeitada pela maioria dos membros do Parlamento Europeu por 402 votos contra, 216 a favor e 56 abstenções, avança o 'Público'.
Contra esta emenda, ou seja, a favor da continuação das regalias de voos em executiva, estiveram sete eurodeputados sociais-democratas e dois eurodeputados socialistas. Do lado do PSD votaram contra os seguintes deputados: José Manuel Fernandes (o relator), Paulo Rangel, Regina Bastos, Carlos Coelho, Mário David, Maria do Céu Patrão Neves e Nuno Teixeira. Do lado do PS, votaram contra os socialistas Luís Manuel Capoulas Santos e António Fernando Correia de Campos.
Nove eurodeputados votaram a favor da emenda 3. Ou seja, estiveram ontem a favor do fim (com ressalvas) das viagens em primeira classe para deslocações inferiores a quatro horas. A saber: os três deputados do Bloco de Esquerda (Miguel Portas, Marisa Matias e Rui Tavares), os dois deputados da CDU (Ilda Figueiredo e João Ferreira) e quatro eurodeputados do PS (Luís Paulo Alves, Elisa Ferreira, Ana Gomes e Vital Moreira).
A social-democrata Maria da Graça Carvalho e os dois eurodeputados eleitos pelo CDS-PP, Nuno Melo e Diogo Feyo, faltaram à votação, enquanto a socialista Edite Estrela foi a única portuguesa a abster-se.

Não faço comentários face a tanta irresponsabilidade e falta de ética.
Por isso não sei quem é Fernando Nobre. O homem considerado um exemplo de cidadania pelo seu envolvimento em prol dos menos favorecidos? O político que não tem pejo em se associar ao partido de José Manuel Fernandes Paulo Rangel, Regina Bastos, Carlos Coelho, Mário David, Maria do Céu Patrão Neves e Nuno Teixeira (para citar apenas os que acima referi)?

Nas últimas eleições presidenciais votei no cidadão Fernando Nobre porque o achava um exemplo no âmbito de cidadania. Se fosse hoje não o teria feito. E este sentimento é partilhado por muitos portugueses.

Pode dar todas as justificações que quiser dar, pode fazer todos os mortais, piruetas e empranchados de costas que quiser, mas esta é uma atitude incompreensível de Fernando Nobre. Não pode tomar esta atitude. Estava-lhe vedada. Se não compreende isto é porque é, infelizmente, uma FRAUDE. Usando as suas próprias palavras, Fernando Nobre deu "um tiro" na sua própria cabeça. Ler mais aqui

Hoje senti-me, pela primeira vez, arrependido de ter gasto o meu precioso tempo na sua candidatura, nesse verdadeiro ninho de cucos que foi a sua aventura eleitoral. Sinto-me um parvo por ter acreditado nele e por não ter visto - ou não ter querido ver - o que outros viram com clareza desde o início. Fernando Nobre é apenas mais um ambicioso. Pior - é um ambicioso que não olha à cor daqueles em que se apoia para atingir os seus propósitos: Bloco, PSD, Mário Soares, PS - e agora outra vez o PSD; tudo lhe serve quando se trata de alcançar protagonismo (...), excerto de um artigo de Manuel Vilar de Macedo

E porque o sonho dum Portugal melhor se desvanece dia a dia, termino com Chico Buraque nas duas versões de Tanto mar

4 comentários:

  1. Olá Regina
    O Fernando Nobre pode ter enganado muita gente mas um político que, como ele, passou a vida a saltitar de Partido em Partido,que credibilidade pode merecer?
    Estamos numa encruzilhada política e, do nosso voto, dependerá o futuro imediato de Portugal.
    Eu vou votar como sempre votei e creio que voto bem. Mas a escolha tem que ser de cada um.

    Um beijo grande, Regina.

    ResponderEliminar
  2. Eu interpretei esses saltos como independência política, dado que nunca se tinha comprometido com nenhum partido. Pessoalmente, por sistema voto à esquerda do PS mas sem comprometimentos. Não que eu seja contra os comprometimentos mas haja coerência...
    Um grande beijinho
    Regina
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Não voto na esquerda e acho que depois do descalabro que têm sido estes anos de império socialista, os cidadãos têm de se interrogar sobre qual o caminho a seguir ou se é melhor desistir de lutar por um país mais justo, mas também mais produtivo. Não acredito no Estado Social, muito menos no comunismo ortodoxo, embora reconheça a sua coerência e teimosia em lutar pelos direitos dos mais fracos. É uma utopia. Não acredito em BEs - burgueses a armar em proletários - nem em socialistas como Socrates, Varas, Coelhos, amigos dos amigos, corruptos, mentirosos, aldrabões e ainda incompetentes.
    Não sei se o PSD é bom ou se o CDS tem alguma hipótese, mas tudo é melhor que esta autocracia quase hitleriana em que se tornou o país de Sócrates. Assisti ao congresso do PS e fiquei estarrecida com a atitude dos militantes perante o Grande Líder. Meteu-me impressão, pois parecia-me estar a ouvir discursos do tempo de fascismo.
    Lamento que os deputados ao PE queiram todos mordomias...vêem dinheiroa rodos e acham que tem direito a ele. Já tive um cunhado nas mesmas condições. Acham-se com direito a tudo pelo enorme sacrifício (!) que é estar longe da família:) durante oito anos.
    Não sei em quem votarei, neste momento, tenho dúvidas sérias. No PS nunca. Quem me dera que o Sócrates desaparecesse para umas ilhas Caimão mais os seus apaniguados.

    Quanto ao Nobre, nunca me convenceu. Sempre achei que era um homem com provas dadas, mas que quer a recompensa do seu esforço e alguma participação activa na vida política do país. É um sonhador...e pensa que vai poder fazer algo como deputado. Não vejo que seja criminoso alistar-se num partido da oposição. Aliás a quantidade de salta-pocinhas no nosso parlamento é ilimitada. É mais um.
    Coerente é MFL que já desistiu de fazer ver ao povo português que tinha razão quanto ao futuro do país...vai para casa tratar dos netos, bem faz ela.

    Desculpem este desabafo, eu detesto blogues que metem política, mas não resisti a vir aqui dar a minha opinião.

    E respeito a vossa, o que interessa é a coerência entre o que se pensa e o modo como se vive...

    ResponderEliminar
  4. Virgínia
    Que bom...
    Podermos exprimir as nossas oipiniões, mesmo que divergentes, sem isso beliscar minimamente o relacionamento entre as pessoas
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar