Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O rosto da memória

O rosto da memória


Era um silêncio transparente,

cortante como um cristal de arestas afiadas.

Usei-o como escopro e, lentamente,

fui esculpindo no tempo o rosto da memória
Gouveia, R.


O texto de hoje é uma viagem por mundos de memórias

Começo pelo evento que  teve lugar hoje, às 17 h, no espaço criativo Vivacidade: a abertura da exposição Viagem através da memória, de Ana Maria Oliveira, que tive o privilégio de conhecer na escola de pintura Utopia, que ambas frequentamos, com um professor excelente, Domingos Loureiro, um jovem artista mas já com um currículo muito significativo
Foi o referido professor que fez a apresentação mas, instada pela autora, disse algumas palavras, essencialmente um poema que, a seu pedido , escrevi para o evento.

Aqui ficam alguns trabalhos de Ana Maria Oliveira e o referido poema


Nos céus da saudade, minha mente alada,


qual garça esvoaça em voo planado.

Eis que, em voo picado, veloz sobe e desce

para ir mergulhar num mar de memórias

que vai recriar de formas distintas

com pincéis e telas, com rendas e tintas
Regina Gouveia
 
No passado dia 1 de Setembro, foi apresentado no Centro cultural de Alfândega da Fé, o livro “Os rios também choram” de Carlos Afonso. Nascido em Parada, Alfândega da Fé, em 1962, precisamente no ano em que eu entrei para a Faculdade, não o conhecia, mas conheço/conheci muitos familiares seus, nomeadamente os pais. O autor, licenciado em Humanidades, é professor de Português e Literatura Portuguesa. Estando eu de férias na aldeia, programei desde logo estar presente na apresentação. No dia anterior fui contactada pelo autor. Pensava acompanhar a apresentação de um espectáculo levado a cabo pelas pessoas da terra, espectáculo em que se iriam recriar aspectos de uma forma de viver, não tão distante assim, no tempo. Pretendia que, a propósito da aldeia e do Santo Antão da Barca ( hoje bastante falado a propósito da barragem do Baixo Sabor que vai engolir o santuário), eu lesse dois poemas meus. O mesmo pedido fê-lo também ao poeta Manuel Gouveia, meu primo e amigo.

A viagem pelos caminhos da memória foi surpreendente. Nada foi esquecido. No palco foram recriadas a segada, a monda, a pesca no rio Sabor, a apanha, o escabulhar e o escachar da amêndoa, a ida à missa, a ida à fonte, a lavagem da roupa e a cura dos tremoços no rio, as procissões, nomeadamente a muda do Senhor da Barca (do Santuário, junto ao rio, até à aldeia), em tempos de grande seca, os jogos de roda das crianças … Até o meu neto entrou nos jogos de roda…

A propósito da aldeia li o poema Big-Bang e a propósito do Santo Antão da Barca o poema Barca

Big-Bang

Na minha infância, o Universo estendia-se do Castelo até às Eiras,

envolvendo a Praça e o Cabecinho onde ficava a minha escola.

Á volta eram ladeiras que velavam o sono do rio lá no fundo

Era assim o meu mundo que para mim, era maior que o infinito

e que em cinco linhas aqui ficou descrito,

contrariando assim, à evidência, uma das conjecturas da ciência.

Desde o seu Big-Bang o meu Universo contrai-se, não se expande.



Barca

Entardece. Ainda uns raios de sol, já desmaiados

que se reflectem nos calhaus rolados que o rio afaga.

No ar, um silêncio que apenas o rumor do rio apaga,

rumor, ou talvez prece ao Senhor da Barca, ali ao lado.

Já não existe mais a barca que outrora foi real

mas na margem do rio, enferrujado,

testemunha de um tempo intemporal,

jaz moribundo um pedaço do cabo

que, a cada viagem, guiava a barca

de uma à outra margem.



A festa foi bonita e eu estive lá…





A festa foi bonita mas eu estive lá…Isto lembrou-me Chico Buarque em Tanto Mar.

Também a muda me lembrou o cantor. Deixo-vos com “permuta dos santos” de Chico Buarque e Edu Lobo, na voz de Mónica Salmaso


Termino citando Carlos Afonso no livro acima referido

Sempre que o coração me pedir para lhe contar histórias de encantar, pego nos espaços que me conhecem e nas gentes que me cercam e voo na direcção do sol.

4 comentários:

  1. Olá Regina. Que poderei eu comentar? Apenas dar-lhe os parabéns pelos seus belos post,magníficos poemas e óptimas escolhas que faz.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Graciete.
    Ontem não apareceu na exposição da Ana Maria. Quando puder passe por lá pois é muito interesante
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar
  3. Cita bem Carlos Afonso. O mesmo se pode dizer quando nos embrenhamos no seu blogue.

    Por isso, sempre que o coração me pede, eu venho aqui voar na direcção do sol conjuntamente com os que me são próximos...

    Adelaide Pereira

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Adelaide pelo seu comentário tão poético
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar