Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Há dias que (não) são assim...

Lassidão


Há dias que são assim, duma lassidão sem fim,

em que a vida é só cansaço, tudo é frouxo, tudo é lasso.

Arrasto-me a cada passo e não vou a parte alguma.

Perco-me dentro da bruma da vida que é embaraço,

sem qualquer rumo nem traço.

Sem nada ser não nem sim não existe nó nem laço

que prenda o meu eu a mim.

Regina Gouveia


Mas o dia de ontem, não foi assim, bem pelo contrário.
O dia de ontem foi, para mim, um dia bonito.

A manhã dediquei-a ao voluntariado no Hospital de Santo António. A registar que uma das pessoas que acompanhei à consulta era um senhor de 87 anos, de Carrazeda de Ansiães. Bastante surdo, mas de uma grande lucidez. Quando lhe disse que era de Alfândega da Fé falou, consternado, no abandono a que a agricultura foi votada e recordou algo que já aqui referi uma vez. Nos meus tempo de criança a amêndoa era o bem mais precioso daquela região. Na altura da apanha, os maiores colheiteiros contratavam a GNR para guardar os amendoais, a fim de evitar que a amêndoa fosse roubada. Hoje, a maior parte fica nas árvores e faz dó, em cada Primavera, ver as amendoeiras cheias de flores belíssimas, mas ostentando ainda as amêndoas ressequidas que no Verão anterior ficaram por apanhar.



Ao fim da tarde fui ao espaço Vivacidade, para estar presente no encerramento da exposição de pintura da minha amiga Virgínia Barros
A Virgínia falou de alguns dos seus trabalhos associando um poema a cada um . Deu-me a honra de seleccionar quatro poemas meus e quis que eu os lesse. Lembrei-me então que um dia, por mero acaso, vi na NET, no site “Timbres da Alma” que já não consigo encontrar, a referência a um poema meu dito, a par de mais treze poemas, por uma brasileira cujo nome desconheço. Esse poema foi um dos seleccionados pela Virgínia. Sugeri então que em vez de ser eu a lê-lo, fosse ouvido o CD. Gostaria de colocar essa leitura mas não consegui.Coloco apenas o poema

Chama

Dançava a chama, voluptuosa,

espalhando em redor um tom vermelho-rosa

As achas ardiam na lareira

e a criança batendo as palmas, rindo,

dizia "lindo, lindo",

apontando a fogueira.

Era uma chama voluptuosa

e ao mesmo tempo etérea,

por causa do plasma,

o quarto estado da matéria.

Vibravam núcleos e iões,

e em estranhas convulsões,

electrões davam saltos quânticos.

Era a energia

que assim se emitia

em passos de dança, sensuais, românticos.

A criança que, batendo as palmas, rindo,

dizia "lindo, lindo",

adormeceu sorrindo.

E então a louca chama, pressentindo

que a criança já estava dormindo,

deu em esmorecer, foi-se extinguindo.
Regina Gouveia
No fim da sessão, o pequeno Daniel com seis anos, neto da Virgínia, brindou-nos mais uma vez com o som do seu violino, quer em solos, quer acompanhado em flauta pela mãe

Mas o dia ainda não acabara. Ao chegar a casa tinha um e-mail com a agradável notícia de que o Instituto Piaget tinha seleccionado um poema meu para o 6º volume do Cancioneiro Infanto-Juvenil para a Língua Portuguesa.

Há dias assim….

 

5 comentários:

  1. Parabéns Regina por um dos seus poemas ter sido seleccionado para o Cancioneiro Infanto-Juvenil.
    O dia de ontem também foi bom para mim.
    Também não foi "um dia assim" como aqueles que a Regina tão bem descreve no seu poemaa e que me acontecem muito, principalmente nestse últimos anos.
    Mas ainda há compensações que nos permitem ultrapassar essa "lassidão". Preciso é saber aproveitá-las.

    Um beijo, com muita amizade.

    ResponderEliminar
  2. Como poderás ler no meu blogue , o meu dia foi lindo, graças a muitos elementos que constituem a cadeia do nosso círculo da vida. Agradeço-te os momentos que nos proporcionaste com os teus poemas, que já figuram no meu blogue, a par das pinturas, mas mais ainda a tua presença sempre única na sessão.
    Fico contente que ela tenha contribuído para mais um dia diferente.

    Um beijo amigo

    ResponderEliminar
  3. Graciete e Virgínia
    Quando me sinto um pouco mais em baixo, nos tais dias de "uma lassidão sem fim" penso nas pessoas fantásticas que me rodeiam, entre as quais incluo as duas...

    ResponderEliminar
  4. Felizmente, sempre que temos a companhia de qualquer uma destas duas grandes Mulheres (Regina e Virginia)os momentos que nos proporcionam são muito bonitos, felizes; têm Cor e Movimento!

    Adelaide Pereira

    ResponderEliminar
  5. Obrigada Adelaide, mas no que me diz respeito, há muita generosidade nas suas palavras
    Bjs
    Regina

    ResponderEliminar