Bem-vindo, bienvenido, bienvenu, benvenuto, welcome....


Silêncio cósmico

Pudera eu regressar ao silêncio infinito,

ao cosmos de onde vim.

No espaço interestelar, vazio, negro, frio,

havia de soltar um grito bem profundo

e assim exorcizar todas as dores do mundo.

Regina Gouveia

sábado, 2 de janeiro de 2010

Shubert, um dos meus compositores favoritos

No segundo dia de 2010 quero partilhar convosco uma das minhas músicas favoritas Quinteto para piano em lá maior, opus 114, "A truta" de Shubert  (basta "clicar" para aceder)
Partilho também a letra



A Truta
Num límpido riacho,
Movia-se alegremente
A truta caprichosa,
Rápida como uma flecha.
Da margem eu seguia,
Em doce tranquilidade,
O banho do alegre peixe
No riacho transparente.
Um pescador com a sua cana
Colocou-se na margem,
Olhando, com sangue-frio,
Os serpenteios do peixe.
Enquanto a água estiver clara,
pensei eu,
Ele não apanhará a truta
Com o seu anzol.
Mas, por fim, o ladrão,
Impacientou-se. Perfidamente
o ribeiro turvou,
E num instante,
A sua cana estremeceu,
Com o peixe a debater-se nela,
E eu, com o sangue a ferver,
Olhei a criatura enganada.

Sem comentários:

Enviar um comentário